Blog da Qualidade

Certificação PMP: Método do Valor Agregado

Receba Nossa News

Os conteúdos mais legais sobre qualidade, semanalmente em seu e-mail

    Todos os dados inseridos aqui, estão resguardados pela Política de Privacidade da ForLogic, totalmente adequada a LGPD e ISO 27001 (Segurança da Informação).

    Daiany

    Daiany

    Website | + posts

    Líder de implantação MPS-BR e ISO:9001 no Grupo Forlogic. Tecnóloga em Análise e Desenvolvimento de Sistemas pela UTFPR, e pós-graduada em Testes de Software pela UEL. Mais informações no Linkedin.

    Hoje vou explicar um método do Gerenciamento de Custos que eu gosto muito: a medição de valor agregado. Essa técnica permite a visualização do desenvolvimento do projeto, além de facilitar a construção de previsões do orçamento. A medição de valor agregado é temida pelos estudantes que vão prestar a prova de Certificação PMP, mas ao meu ver o conhecimento desse método é essencial para quem quer controlar e gerenciar seus projetos de maneira mais eficaz e de modo mais profissional.
    Para começarmos os cálculos de valor agregado, vamos conhecer os termos usados:
    • VP (Valor Planejado): valor estimado do trabalho planejado em determinada etapa do projeto;
    • VA (Valor Agregado): valor estimado do trabalho realizado em determinada etapa do projeto;
    • CR (Custo Real): custo real do trabalho realizado;
    • ONT (Orçamento no Término): valor total planejado para o projeto;
    • ENT (Estimativa no Término): previsão do custo total do projeto;
    • EPT (Estimativa para Término): custo final esperado para concluir o projeto;
    • VNT (Variação no Término): valor acima ou abaixo do orçamento esperado para o fim do projeto;
    Agora, vamos aos cálculos:  icon-angle-double-right Variação do custo: VC = VA-CR  Este cálculo demonstra a variação do orçamento planejado. Se o resultado for = 1, o projeto está sendo desenvolvido dentro do orçado. Se o resultado for negativo, significa que o valor do orçamento foi extrapolado, e quando positivo, o valor gasto foi abaixo do planejado.  icon-angle-double-right Variação dos prazos: VPR = VA-VP Como no cálculo anterior, este permite visualizar se o tempo do projeto está dentro do planejado. Se o resultado for negativo, significa que houve atraso em relação ao cronograma, e quando positivo, o cronograma está adiantado, e se =1, o projeto está sendo desenvolvido dentro do prazo.  icon-angle-double-right Índice de desempenho de custos: IDC = VA/CR O IDC permite visualizar se os recursos financeiros estão ou não sendo usados com eficiência. Resultados superiores a 1 são bons e inferiores a 1 são ruins.  icon-angle-double-right Índice de desempenho de prazos: IDP = VA/VP Já o IDP, permite visualizar se o tempo está sendo bem utilizado. Se o resultado for superior a 1, significa que está bom, e se for inferior a 1, está ruim.  icon-angle-double-right Estimativa no término: ENT A estimativa no término pode ser utilizada em 4 situações:
    • ENT = CR + EPT: é usada no caso do orçamento inicial possuir erros;
    • ENT= ONT + IDC ͨ: é usada quando não ocorrem variações do ONT ou se você usará a mesma taxa de despesa, onde ͨrepresenta cumulativo;
    • ENT= CR + (ONT- VA): é usada quando as variações são atípicas e não ocorrerão no futuro e calcula os custos reais até a data mais o orçamento restante;
    • ENT= (ONT – VA)/(IDC ͨ * IDP ͨ): essa fórmula é usada quando as variações são típicas e ocorrerão no futuro.
     icon-angle-double-right Índice de desempenho para término: IDPT = (ONT-VA) / (ONT-CR) Esta fórmula calcula o valor que temos disponível para cada atividade até o final do projeto, pois divide o trabalho que ainda será realizado pelo dinheiro que existe disponível.  icon-angle-double-right Estimativa para término: EPT = ENT – CR Esta estimativa calcula o valor que será extrapolado no orçamento final do projeto.  icon-angle-double-right Variação no término: VNT = ONT –ENT A VNT calcula se, ao final do projeto, o orçamento ficou abaixo ou acima do planejado. Todas essas fórmulas parecem complicadas, mas vou exemplificar como podemos aplicá-las:
    Exemplo 1: Estimativa no término (ENT) Vamos supor que temos projeto de implementação de software com custo estimado em $300,000 e para durar 30 meses. No terceiro mês do projeto você perde um membro da sua equipe e tem que substituí-lo. O projeto não foi atrasado, mas foi adicionado custos. No final do terceiro mês, você descobriu que os custos reais para o projeto foram de $40,000. O que você forneceria como a Estimativa no Término (ENT) para este projeto? Nesse caso usaremos a formula: ENT = CR + (ONT – VA), pois temos variações atípicas no projeto que não ocorrerão no futuro. VA = Se estimamos 100,000 para gastar em 10 meses, para cada mês deveríamos gastar 10,000, em 2 meses o valor agregado é 20,000 ENT = 30,000 + (100,000 – 20,000) -> ENT = 110, 000
    Exemplo 2: Índice de desempenho de custos (IDC) Seu projeto concluiu $40,000 de trabalho, e ainda está $10,000 acima do orçamento. Qual o valor do IDC? O VA é dado em VA = $40,000, pois o VA representa o valor realizado do planejado em determinado momento. O CR é o que agregamos ao projeto, ou seja 40,000 mais o que ainda falta gastar, ou seja 10,000. Então; IDC= VA/CR -> IDC = 40,000/50,000 -> IDC= 0,8. Neste caso, os custos do projeto foram extrapolados.
    Este método é ótimo para auxiliar no controle dos custos e tempo do projeto, evitando surpresas tanto para o gerente de projeto quanto para as partes interessadas. Você consegue aplicar a técnica no seu trabalho? Mande suas dúvidas para mim!  
    REFERÊNCIAS: Um Guia do Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento de Projetos: Guia do PMBOK , 5a. edição, 2011, PMI. PMP Rita Mulcahy  8º Edição. Curso de preparação para certificação EUAX.
     

    Sobre o autor (a)

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    Blog da Qualidade

    Artigos relacionados

    Planos 500x800

    Já elaborou um super PLANO DE AÇÃO que não foi executado a tempo?

    O Qualiex pode te AJUDAR!