Blog da Qualidade

Como realizar a Análise de Falhas

Receba Nossa News

Os conteúdos mais legais sobre qualidade, semanalmente em seu e-mail

    Todos os dados inseridos aqui, estão resguardados pela Política de Privacidade da ForLogic, totalmente adequada a LGPD e ISO 27001 (Segurança da Informação).

    Equipe Forlogic

    Equipe Forlogic

    Em nossos posts anteriores, abordamos sobre a Análise de Modos de Falhas e Efeitos (FMEA) e Porque Ocorrem Falhas no Sistema. Nosso objetivo agora é  apresentar ao leitor os passos para desenvolver um relatório de análise de falhas.
    Análise de falhas é um método utilizado para prevenir ou analisar não conformidades em projetos, processos e produtos. A metodologia para realização da análise de falhas obedece sete fases: – Fase 1: a especificação do problema é realizada respondendo-se às perguntas: 1. o que falhou? 2. qual a falha? 3. onde ocorreu a falha? 4. quando ocorreu a falha? 5. como ocorreu a falha? 6. qual a magnitude da falha? 7. o que é que não é característico da falha? – Fase 2: uma vez especificado o problema, devem ser enunciadas as hipóteses de causa. Não importa se essas hipóteses são ou não razoáveis, o que importa  é a geração das hipóteses. – Fase 3: cada hipótese enunciada na fase anterior deve ser verificada com relação à especificação do problema, devendo-se iniciar a investigação da causa pela hipótese que mais bem explica o problema. – Fase 4: análise dos controles existentes para impedir a ocorrência das falhas. – Fase 5: avaliação dos indices de ocorrência, severidade, detecção e risco para as falhas. Os indices podem ser estabelecidos de acordo com a seguinte escala:
    • ocorrência de falha: de 1 (baixa probabilidade de ocorrência) a 10 (alta probabilidade de ocorrência);
    • severidade da falha: 1 (pouco grave) a 10 (muito grave);
    • detecção da falha: 1 (grande probabilidade de ser identificada antes de alcançar o cliente) a 10 (pequena probabilidade de ser identificada antes de alcançar o cliente);
    • risco: é a multiplicação dos três indices anteriores.
    – Fase 6: desenvolvimento das ações corretivas e preventivas. As ações preventivas atuam removendo a causa e impedindo que ela ocorra novamente, e portanto resolvem definitivamente o problema. As ações corretivas e de contenção atuam sobre o problema, diminuindo seus efeitos. – Fase 7: acompanhamento das ações especificadas. Todas as ações especificadas devem ser melhoradas, verificando se de fato estão sendo seguidas.   EXEMPLO DE RELATÓRIO DE ANÁLISE DE FALHAS

     O relatório tem como objetivo identificar e analisar as falhas, para que possamos tomar providências para saná-las e nos precavermos de eventuais falhas futuras.  
    REFERÊNCIA MARTINS, PETRÔNIO G.; LAUGENI. Fernando P. Administração da Produção. São Paulo : Saraiva, 5ª Ed., 2006.
       

    Sobre o autor (a)

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    Blog da Qualidade

    Artigos relacionados

    Planos 500x800

    Já elaborou um super PLANO DE AÇÃO que não foi executado a tempo?

    O Qualiex pode te AJUDAR!