Ferramentas da qualidade

Controle Estatístico de Processo – CEP

Imprimir artigo

O Controle Estatístico de Processo (CEP) tem como objetivo monitorar um produto ou serviço durante seu processo de produção, pois caso apresente problemas, seu procedimento será interrompido para que as falhas sejam sanadas e o mesmo retorne a sua condição normal.

CAUSAS DE VARIAÇÃO NOS PROCESSOS PRODUTIVOS

Podemos classificar as causa de variação no processo em dois grupos: as causas de variação comuns (não assinaláveis) e as especiais (assinaláveis).

  • Causas de variação comuns: são consideradas aleatótias e inevitáveis e quando o processo apresenta somente causas de variação comuns, as variáveis do processo seguem uma distribuição normal. Por exemplo, o peso do arroz ensacado por uma distribuidora de produtos alimentícios seguirá uma distribuição normal caso o processo apresente somente causas comuns de variação, que estejam dentro dos limites de controle.
  • Causas de variação especiais: ocorrem por motivos claramente identificáveis e que podem ser eliminados. As causas especiais alteram o parâmetro do processo, média e desvio padrão, pois estão fora dos limites de controle.

 

CONTROLE DE VARIÁVEIS

Variáveis significa tudo aquilo que pode ser medido por instrumento de medição, como por exemplo, peso, altura, diâmetro, comprimento, largura, velocidade, tempo etc. .

Para o controle das variáveis do processo partimos da hipótese de que a variável a ser controlada segue uma distribuição normal. Portanto, deve-se controlar a média e o desvio padrão da distribuição, que se não tiverem variação ao longo do tempo caracterizam o que  chamamos de ?processo sobre controle?. Portanto, um processo sobre controle é aquele onde as variáveis não apresentam variação de média ou de desvio padrão ao longo do tempo.

O controle das variáveis é realizado através de um instrumento denominado gráfico de controle, que é um diagrama que apresenta um limite superior denominado LSC (limite superior de controle) e um limite inferior denominado LIC (limite inferior de controle), além de uma linha de centro denominada LM (linha média).

O processo de controle de variáveis deve seguir cinco fases:

  1. Determinar os limites do gráfico de controle da média e da amplitude (diferença entre o valor maior e o valor menor das amostras coletadas) para cada variável que será controlada.
  2. Estabelecer um plano para retirada das amostras do que está sendo produzido (cada amostra deve ter um determinado número de produtos).
  3. Para cada amostra retirada, medir a média e a amplitude.
  4. Colocar os valores encontrados nos gráficos verificando se estes valores estão nos limites do gráfico, caso em que o processo estará sobre controle.
  5. Análises e situações: os resultados obtidos devem ser analisados verificando se existe a necessidade de algum tipo de ação.

 

Voltando ao exemplo do ensacamento do arroz, vamos atribuir um peso normal de 5kg (LM), 4,90kg para o limite inferior de controle (LIC) e 5,10 para o limite superior de controle (LSC), gerados através de 4 amostras, conforme apresentado no gráfico abaixo.

O CEP é uma importante ferramenta para controle da variação de processos, pois trata com precisão os desvios que ocorrem no processo, fazendo com que atuemos no momento certo para corrigirmos os problemas apresentados.

Saiba para que serve, como fazer e veja exemplos práticos do Controle Estatístico de Processos clicando no botão abaixo:

 

 

REFERÊNCIAS

MARTINS, PETRÔNIO G.; LAUGENI. Fernando P. Administração da Produção. São Paulo : Saraiva, 5ª Ed., 2005.

SLACK, Nigel. Administração de Produção. São Paulo: Atlas, 2002.

 

Autor

Comentários

Posts Relacionados

← Post mais recente
Processos Operacionais