Blog da Qualidade

WEBINAR AO VIVO
Dia 05 de Abril 10h00min

Diagrama de Pareto

Receba Nossa News

Os conteúdos mais legais sobre qualidade, semanalmente em seu e-mail

Todos os dados inseridos aqui, estão resguardados pela Política de Privacidade da ForLogic, totalmente adequada a LGPD e ISO 27001 (Segurança da Informação).

Jeison

Jeison

Sou co-fundador da ForLogic Software, hoje atuo com gente, cultura e gestão. Sou um dos criadores do Qualiex, do Qualicast (o 1º Podcast nacional focado em qualidade), criador do Blog da Qualidade (o maior blog sobre Qualidade do Brasil). Mestre em Engenharia da Produção pela UTFPR (Universidade Tecnológica Federal do Paraná), auditor líder formado com orgulho pela ATSG na ISO9001 e 22000, pai, empreendedor, e um inconformado de plantão!
Acredito na responsabilidade do indivíduo, no poder da qualidade e que podemos fazer diferente. Me acompanhe no Linkedin e no Instagram.

Primeiramente, o Diagrama de Pareto apresenta o conceito de que, na maioria das situações, 80% das consequências são resultado de 20% das causas. Sem dúvidas, isso pode ser muito útil para tratar não conformidades, identificar pontos de melhoria e definir que planos de ação devem ser atacados primeiro no que diz respeito à prioridade.

Ainda, segundo a metodologia, os problemas referentes a qualidade de produtos e processos, que resultam em perdas, podem ser classificados da seguinte maneira:

  • Poucos vitais: representam poucos problemas que resultam em grandes perdas;
  • Muitos triviais: representam muitos problemas que resultam em poucas perdas.

O Diagrama de Pareto apresenta um gráfico de barras que permite determinar, por exemplo, quais problemas devem ser resolvidos primeiro. Por meio das frequências das ocorrências, da maior para a menor, é possível visualizar que, na maioria das vezes, há muitos problemas menores diante de outros mais graves, que representam maior índice de preocupação e maiores perdas para a organização.

Como fazer o Diagrama de Pareto

  • Determine o tipo de perda/problema que você quer investigar;
  • Especifique o aspecto de interesse do tipo de perda que você quer investigar;
  • Organize uma folha de verificação com as categorias do aspecto que você decidiu investigar;
  • Preencha a folha de verificação;
  • Faça as contagens, organize as categorias por ordem decrescente de frequência, agrupe aquelas que ocorrem com baixa frequência sob denominação “outros” e calcule o total;
  • Calcule as frequências relativas e as frequências acumuladas.

EXEMPLO

Uma empresa fabrica e entrega seus produtos para várias lojas de varejo,  e quer diminuir o número de devoluções.

Contudo para isso,  investigou o número de ocorrências geradoras de devolução da entrega no último semestre, conforme apresentado na tabela abaixo:

Passos para Construção do Diagrama de Pareto

Primeiro passo: refazer a folha de verificação ordenando os valores por ordem decrescente de grandeza.

Segundo passo: acrescentar mais uma coluna indicando os valores acumulados. Esse calculo é feito somando o número de ocorrências de uma razão mais as ocorrências da razão anterior.

Terceiro passo: acrescentar mais uma coluna onde serão colocados os valores percentuais referentes a cada tipo de ocorrência.

 O cálculo é feito dividindo-se o número de ocorrências de um determinado tipo (razões)  pelo total de ocorrências no período.

Quarto passo: acumulam-se estes percentuais em uma última coluna. Para isso, basta somar o percentual de ocorrência de cada razão ao percentual de ocorrência da razão anterior.

Com estes dados pode ser construído o gráfico de Pareto, apresentado a seguir:

Conforme apresentado no gráfico acima, para diminuir  o problema de devolução de produtos será necessário criar um programa de ação para a empresa diminuir os atrasos de entrega da fábrica e da transportadora. Com isso, 53% do problema será resolvido.

ocorrencias-1200-x175

Utilização do Diagrama de Pareto

O Diagrama de Pareto é um recurso gráfico utilizado para estabelecer uma ordenação nas causas de perdas que devem ser sanadas, auxiliando na identificação dos problemas e priorizando-os para que sejam resolvidos de acordo com sua importância. Isso não quer dizer que nem todos os problemas são importantes, mas sim, que alguns precisam ser solucionados com maior urgência.
O Diagrama de Pareto faz parte das sete ferramentas da qualidade e permite uma fácil visualização e identificação das causas ou problemas mais importantes, possibilitando a concentração de esforços para saná-los.
Se você quiser saber mais sobre a utilização, sobre como fazer e ver exemplos práticos do Diagrama de Pareto, acesse nosso glossário de ferramentas clicando no botão abaixo:
Saiba mais sobre Diagrama de Pareto

REFERÊNCIAS
CAMPUS, Vicente Falconi. TQC: controle da qualidade total (no estilo japonês). São Paulo:Campus, 2009.
PEINADO, Jurandir; GRAEML, Alexandre Reis. Administração da produção: operações industriais e serviços. Curitiba: UnicenP, 2007.
RODRIGUES, Marcus Vinicius. Ações para a qualidade: GEIQ, gestão integrada para a qualidade: padrão seis sigma, classe mundial. Rio de Janeiro: Qualitymark, 2004.
www.sebraepr.com.br

Idealizado por Forlogic | www.forlogic.net
Saiba mais sobre qualidade em http://ferramentasdaqualidade.org/
Conheça nosso software para  Gestão da Qualidade https://qualiex.com/

 

Sobre o autor (a)

13 comentários em “Diagrama de Pareto”

  1. Seria muita maldade da minha parte se eu nao comentasse absolutamente nada. Eu estava a entrar em desespero de tanto procurar por explicacoes mais perceptiveis no Google, voce me salvou. Muito esclarecedor!!! Obrigada

  2. Estou fazendo um trabalho de faculdade e estava bastante perdida sobre como fazer um Diagrama de Pareto no excel, esta matéria me ajudou muito e confesso que foi a única das tantas páginas que pesquisei e esclareceu totalmente minha mente. muito obrigada. 🙂

  3. Uma dúvida. Como neste exemplo, estou passando por uma situação no estágio onde não estou obtendo uma porcentagem muito alta de ocorrências separando os 20% das razões e preciso. Como eu faço a divisão da curva abc nestes casos? Há algum critério técnico para a divisão nestes casos onde não há um exato “80/20”, ou é pelo “bom senso”? Por exemplo: 23% das causas representam apenas 46% das ocorrências. Eu fico com estes 46% ou aumento o percentuais de causas para atuar?
    Espero que tenha me feito entender.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Blog da Qualidade

Artigos relacionados

ocorrênias 500x800

deixou de acompanhar as ações de
um projeto e ATRASOU a entrega?

O Qualitfy pode ajudar