Sistemas de gestão

Modelo de Excelência em Gestão® (MEG)

Gráficos de sistemas de gestão no computador e celular, representando a importância de aplicar o Modelo de Excelência em Gestão (MEG)
Imprimir artigo

Vejo algumas empresas buscando qualidade, gestão ou mesmo excelência com implantação de normas, e isso me lembra uma frase que saiu em uma conversa com meu amigo Orlando Pavani:

“Quero como clientes empresas que busquem a certificação como o começo, não como o fim”.

Isso acontece porque é um consenso entre nós (da ForLogic e da Holding Pavani) que temos clientes com certificação, e isso não é ruim, é inclusive muito bom, mas o cliente que buscamos deve acreditar que a certificação é só o começo.

Já falei disso quando disse que a certificação vem com propósito e não com o certificado ou quando tentamos explicar o que Deming preconizava.

Mas para os pragmáticos, os que buscam ferramentas, temos algo menos filosófico e muito mais eficaz e efetivo: o Modelo de Excelência e Gestão® (MEG), que está na sua 21ª Edição.

O que é o MEG?

Criado pela Fundação Nacional da Qualidade (FNQ), o MEG é uma metodologia para a avaliação do nível de maturidade da gestão das organizações. Criada em 1991, a Fundação Nacional da Qualidade (FNQ) é um centro de referência para melhoria da produtividade das organizações e competitividade do Brasil.

Por meio de estudos aprofundados, a FNQ vem evoluindo o modelo ao longo dos anos, e essa 21ª edição se apresenta como um tangram.

Tangram do Modelo de Excelência em Gestão MEG - Fonte: http://www.fnq.org.br/MEG_MARCADAGUA.png

Tangram do Modelo de Excelência em Gestão MEG – Fonte: http://www.fnq.org.br/MEG_MARCADAGUA.png

A analogia do tangram é muito bem-vinda, uma vez que cada empresa pode montar o seu modelo de gestão, agrupando as peças da melhor maneira para representar o seu modelo de gestão, mas sempre levando em consideração os oito fundamentos para excelência.

Os 8 fundamentos da gestão para a excelência

Estes 8 fundamentos são um conjunto de valores e princípios que objetivam levar às empresas padrões internacionais de excelência, em organizações líderes de Classe Mundial. São eles:

Pensamento sistêmico

Trata do entendimento e tratamento das relações de interdependência e seus efeitos entre os diversos componentes que formam a organização, e ainda considerando o ambiente com o qual interagem.

Compromisso com as partes interessadas

Definição, entendimento e estabelecimento de acordos com as partes interessadas para cumprimento de requisitos, assim como as inter-relações destas com as estratégias e processos, levando em consideração perspectivas de curto e longo prazos.

Aprendizado organizacional e inovação

Trata da busca e alcance de novos patamares de competência para a organização e sua força de trabalho, por meio da percepção, reflexão, avaliação e compartilhamento de conhecimentos, promovendo um ambiente favorável à criatividade, experimentação e implementação de novas ideias capazes de gerar ganhos sustentáveis para as partes interessadas, possibilitando com isso a inovação.

Adaptabilidade

Tem uma relação forte com a identificação da necessidade de promover mudanças, trata ainda da flexibilidade e capacidade de mudança em tempo hábil, frente alterações do contexto da organização, e novas demandas das partes interessadas.

Liderança transformadora

Trata dos valores e princípios organizacionais, e aborda a atuação dos líderes de forma ética, inspiradora, exemplar e comprometida com a excelência, compreendendo os cenários e tendências prováveis do ambiente e dos possíveis efeitos sobre a organização e suas partes interessadas, no curto e longo prazos – mobilizando as pessoas em torno de valores, princípios e objetivos da organização; explorando as potencialidades das culturas presentes; preparando líderes e pessoas; e interagindo com as partes interessadas.

Desenvolvimento sustentável

Aborda o tripé, econômico-financeiro, ambiental e social, com o compromisso da organização em responder pelos impactos de suas decisões e atividades, na sociedade e no meio ambiente, e de contribuir para a melhoria das condições de vida, tanto atuais quanto para as gerações futuras, por meio de um comportamento ético e transparente.

Orientação por processos

Tem uma abordagem da organização como um conjunto de processos, que precisam ser entendidos de ponta a ponta e considerados na definição das estruturas: organizacional, de trabalho e de gestão, onde estes devem visar à busca da eficiência e da eficácia nas atividades, de forma a agregar valor para a organização e as partes interessadas.

Geração de valor

O olhar para o alcance de resultados econômicos, sociais e ambientais, bem como de resultados dos processos que os potencializam, em níveis de excelência e que atendam às necessidades e expectativas da organização e das partes interessadas.

 

(Ps: retirei esse trecho do site da FNQ, fiz algumas mudanças e alterei a ordem dos fundamentos. Texto na íntegra disponível em: <http://www.fnq.org.br/aprenda/metodologia-meg/modelo-de-excelencia-da-gestao/fundamentos>. Acesso em 02 de julho de 2019.)

Por que falar de MEG?

Esse é o primeiro artigo de uma série que iremos fazer para falar do MEG®, pois acreditamos que mais do que uma certificação, as organizações precisam de uma busca pela excelência! E o MEG é um excelente instrumento para isso.

A profundidade que conseguimos atingir ao utilizar o MEG como ferramenta de gestão é incrível, ao atender o MEG, consequentemente atendemos também sistemas de gestão como ISO 9001, ISO 14001 ou mesmo a ISO 45001 (antiga OHSAS 18001).

Mas vale uma ressalva, o MEG não é uma certificação, ele é um modelo de excelência! E você pode crescer seu sistema de maneira gradativa, ou seja, ir implementando metodologias ou ferramentas aos poucos, crescendo assim sua maturidade e pontuação no modelo.

Outro motivo importante é que temos um Qualicast excelente este mês, falando do MEG. Nele, o igualmente excelente Orlando Pavani aborda o tema junto com a gente. Para ouvir o conteúdo completo, basta clicar no botão abaixo e ir para o site do Qualiex:

Ouvir conteúdo 100% em áudio

Tá bom Jeison, mas eu com isso?

Mais que atender uma norma, certificação ou a especificação de um cliente, se você trabalha com qualidade deveria estar buscando a excelência.

Sei que temos as pressões diárias para cumprir requisitos, atender demandas, ou mesmo responder auditorias, isso faz parte do trabalho. Mas deveria ser uma parte menor, a busca do gestor dos dias de hoje deve ser pela excelência na gestão!

O MEG abarca toda a empresa, passando por responsabilidade ambiental, social, falando de indicadores, sucessão, liderança, mudança, inovação e um foco enorme em resultado, ou seja, busca excelência em todos os contextos.

E aí na sua empresa, você já pensou em utilizar um modelo de excelência em gestão no lugar de uma norma? Como sua diretoria veria isso, eles estão dispostos a buscar a excelência?

Será que esse não é o momento para falar de gestão com a diretoria e abandonar de vez o qualitês?

Você ainda acredita que a certificação é o final da qualidade ou já entendeu que pode ter sido só o começo?

REFERÊNCIAS:

 

Para conhecer mais sobre a FNQ acesse o site da fundação: http://www.fnq.org.br/

 

FNQ – FUNDAÇÃO NACIONAL DA QUALIDADE. Guia de Referência da Gestão para Excelência. 21ª edição. São Paulo, 2016.

 

FNQ – FUNDAÇÃO NACIONAL DA QUALIDADE. Fundamentos da Excelência. Disponível em: <http://www.fnq.org.br/aprenda/metodologia-meg/modelo-de-excelencia-da-gestao/fundamentos>. Acesso em 02 de julho de 2019.

 

 

Autor

Comentários

Posts Relacionados

Imagem de um calendário com uma data marcada, representando cumprir os prazos da qualidade.
← Post mais recente
4 fatores que impedem você de cumprir os prazos da Qualidade