Estratégia empresarial

O compartilhamento do conhecimento nas organizações

Imprimir artigo

O compartilhamento do conhecimento nas organizações está relacionado a gestão do conhecimento e sua difusão torna-se cada vez mais imprescindível, pois não adianta dispor de conhecimentos se não é compartilhado.

A organização só é beneficiada quando o conhecimento é difundido, transferido, compartilhado e alavancado, ou seja, quando existem canais de rede de comunicação dentro da organização que facilitam a troca de informações e experiências.

Temos dois tipos de conhecimentos passíveis de serem compartilhados: o tácito e o explícito. O explícito é formal e sistemático e pode ser facilmente comunicado e distribuído através de manuais de procedimentos, relatórios, etc. Já o tácito é pessoal, de difícil formalização e comunicação, pois está relacionado ao discernimento, compreensão, instinto do indivíduo. Ou seja, o tácito está incorporado nas pessoas e o explícito em processos, serviços, registrado em documentos.

O conhecimento é criado a partir da combinação do tácito e explícito formando 4 tipos:

 

 

 

 

 

  • Socialização: de tácito para tácito
  • Externalização: de tácito para explícito
  • Combinação: de explícito para explícito
  • Internalização: de explícito para implícito

Através das formas de conversão do conhecimento, identificam-se as formas de compartilhamento:

– Na socialização, ocorre um processo de troca de experiências, onde o indivíduo compartilha seu conhecimento tácito diretamente com outro (através da linguagem, observação, imitação e prática).

– Na externalização, o indivíduo compartilha seu conhecimento tácito com vários outros, de forma não direta.

– Na combinação, um conhecimento já explícito é compartilhado de forma explícita.

– Na internalização, o explícito é compartilhado de forma direta, onde o receptor o transforma em conhecimento implícito.

As informações mais importantes estão justamente nas pessoas (tácitos) e não nas organizações (explícitos) e as organizações transbordam de conhecimentos tácitos, devendo valorizá-los mais. Infelizmente, muitas organizações ainda não acordaram para o fato de que grande parte do saber organizacional faz parte do conhecimento subjetivo, que reside na mente de seus colaboradores, por isso é necessário promover a colaboração e comunicação.

 

REFERÊNCIA

ANGELONI, Maria Terezinha. Organizações do conhecimento: infra-estrutura, pessoas e tecnologia. São Paulo: Saraiva, 2002.

 

 

Autor

Comentários

Posts Relacionados

indicadores
← Post mais recente
O que os seus Indicadores estão dizendo?