Gestão de processos

Rede de Operações Produtivas

rede de operações qualidade
Imprimir artigo

Nenhuma operação produtiva existe isoladamente, pois todas fazem parte de uma rede maior e são integradas entre si, gerando o resultado do processo como um todo. Esta rede inclui fornecedores e clientes, e também fornecedores de fornecedores e clientes de clientes e assim por diante.

As operações produtivas interagem entre si, ou seja: no lado do fornecimento, uma operação tem seus fornecedores, que também tem seus próprios fornecedores e assim sucessivamente. No lado da demanda a operação tem clientes, onde esses clientes podem não ser seus clientes finais e possuir seu próprio conjunto de clientes.

A figura abaixo ilustra melhor o que estamos falando.

Junto com o fluxo de bens dos fornecedores para os clientes da rede, cada elo da rede enviará, no sentido inverso, pedidos e informações para seus fornecedores. Quando os estoques se reduzem, os varejistas fazem pedidos ao atacadista ou diretamente ao fabricante. O atacadista, da mesma forma, fará pedidos ao fabricante, que por sua vez fará pedidos a seus fornecedores, que completarão seus próprios estoques com os produtos que recebem de seus fornecedores. É um processo de duas vias, com bens fluindo em um sentido e informações no sentido contrário.

Não são somente os fabricantes que fazem parte de uma rede de suprimentos. As operações de serviços também têm fornecedores e clientes, conforme mostra a figura abaixo.

Neste caso, também há um fluxo de informações dos clientes para os fornecedores para apoiar o fluxo de serviços dos fornecedores para os clientes. Este fluxo de informações será diferente daquele do exemplo anterior. Os clientes ainda farão pedidos aos fornecedores, mas com menor frequência. A maior parte das informações serão de monitoramento do desempenho, como a verificação regular da limpeza das instalações e o retorno das informações à empresa de limpeza.

Devemos considerar sempre toda a rede da qual uma operação produtiva faz parte, pois isso ajuda a empresa a entender como pode competir efetivamente, identificando as ligações que compõem a rede e ajudando a empresa a focalizar uma perspectiva de longo prazo.

 

REFERÊNCIA

MARTINS, Petrônio G; LAUGENI, Fernando P. Administração da Produção. 2ª ed. São Paulo: Saraiva, 2005.

banner de avaliação de fornecedores supply

Autor

Comentários

Posts Relacionados

velocidade-estrategia-qualidade
← Post mais recente
6 Dicas para ganhar mais velocidade em ações estratégicas!