Blog da Qualidade

ISO 9001:2015 – Conhecimento organizacional (Parte 1)

Receba Nossa News

Os conteúdos mais legais sobre qualidade, semanalmente em seu e-mail

    Todos os dados inseridos aqui, estão resguardados pela Política de Privacidade da ForLogic, totalmente adequada a LGPD e ISO 27001 (Segurança da Informação).

    Davidson Ramos

    Davidson Ramos

    Website | + posts

    Auditor Líder ISO 9001:2015 e autor de centenas de artigos sobre Gestão da Qualidade, sempre acreditei que as pessoas têm o poder de mudar o mundo a sua volta, desde que estejam verdadeiramente engajadas nisso. Por isso me dedico a ajudar as pessoas a criar laços verdadeiros com seu trabalho, porque pessoas engajadas mudam o mundo!

    A versão 2015 da ISO 9001 acrescentou à norma um item específico relacionado a Gestão do Conhecimento, o item 7.1.6 Conhecimento organizacional, colocando em evidência a importância de gerenciar este tipo de informação.

    O Conhecimento Organizacional corresponde ao conhecimento que sua empresa adquiriu ao longo do tempo e que torna possível que ela execute os processos que possui e, assim, forneça produtos e serviços ao seu cliente ou outras partes interessadas.

    Por que gerenciar o Conhecimento Organizacional

    Imagine uma empresa que fabrica pães de forma. Nessa empresa, um único funcionário é responsável por selecionar os fornecedores de todos os insumos necessários para a produção, ele conhece todas as características dos fornecedores e como os produtos fornecidos alteram o pão.

    Agora pense: o que acontece se esse funcionário sair da empresa? A produção pode até não parar, mas na urgência de repor as matérias primas, a empresa pode pagar mais caro e comprar materiais diferentes dos habituais. Isso pode afetar o sabor e a consistência do produto e até objetivos da empresa.

    Para resolver esse problema, todos os critérios que o profissional aprendeu a analisar ao longo do tempo precisam ser formalizados e se tornar um método de seleção de fornecedores, para que, assim, o colaborador que assumir o setor de compras consiga desempenhar sua função mantendo os padrões de Qualidade do produto final.

    Proteja sua empresa da perda de informações

    Esse item foi estabelecido para diminuir a perda de conhecimento nas organizações, seja pela rotatividade de colaboradores ou pela falha das empresas em capturar ou disseminar essas informações. Se sua organização não tiver um gerenciamento de informações eficaz, é provável que muitas informações importantes se percam.

    Para a ISO, a Gestão do Conhecimento também é importante para garantir a conformidade dos produtos e serviços. Assim, além de preservar o “Como fazer” já existente na sua empresa, a nova norma visa também encorajar as organizações a buscar os conhecimentos necessários à boa execução dos processos, seja aprendendo com a experiência, por meio de mentoreamento ou comparando-se com referenciais.

    Esses conhecimentos são um misto de tudo o que ocorre na empresa, e podem ser encontrados tanto dentro da organização como fora dela, ou seja, podem ser internos ou externos.

    Conhecimentos baseados em fatores internos

    Você precisa levar em consideração tudo que você aprendeu durante a trajetória da sua empresa. As experiências fornecem informações importantes como, por exemplo, projetos que fracassaram ou tiveram sucesso, lições aprendidas ao resolver reclamações de cliente, métodos de trabalho que se adaptam à sua cultura organizacional e uma série de outras informações que só serão obtidas na rotina da sua empresa.

    Conhecimentos baseados em fatores externos

    Vários fatores externos influenciam o funcionamento da sua organização, e disso também resultam experiências e aprendizados.

    Imagine que a fábrica de pães que eu citei no início do texto descubra que um concorrente local está patrocinando eventos na cidade e que isso está aumentando as vendas dele. Talvez essa não seja uma prática da nossa fábrica de pães, entretanto essa é uma referência externa importante para que a empresa não perca espaço no mercado e ela pode decidir patrocinar eventos locais também a partir da análise crítica dessa informação.

    Outro exemplo interessante é a própria ISO 9001:2015, ao se basear nela para organizar o SGQ, a empresa está buscando referências externas para melhorar sua gestão, já que a ISO é um padrão internacional em Sistemas de Gestão da Qualidade.

     

    Capturar o conhecimento organizacional não é juntar papeis, mas criar um sistema em que as pessoas aprendem e compartilham seus conhecimentos o tempo todo, por meio de processos e métodos. E isso é tão importante quanto executar os processos.

    No próximo post, vou falar especificamente do requisito 7.1.6 Conhecimento Organizacional e dar algumas dicas sobre como capturar o conhecimento na sua empresa. Até lá!

     

    Leia todos os artigos do Blog da Qualidade sobre ISO 9001:2015!

    Sobre o autor (a)

    5 comentários em “ISO 9001:2015 – Conhecimento organizacional (Parte 1)”

    1. As instruções de trabalho podem ser consideradas como conhecimento organizacional? Já que, uma vez que eu crio uma instrução de trabalho, estou padronizando um determinado processo, e garantindo a continuidade atraves de treinamentos.

    2. Pingback: ISO 9001:2015 – Conhecimento organizacional (Parte 2) - Blog da Qualidade

    3. Pingback: O que um peixe assado nos ensina sobre Conhecimento Organizacional? - Blog da Qualidade

    4. Pingback: Definindo objetivos estratégicos com o BSC (Balanced Scorecard) - Blog da Qualidade

    5. Pingback: Variações do PDCA - Blog da Qualidade

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    Blog da Qualidade

    Artigos relacionados

    Planos 500x800

    Já elaborou um super PLANO DE AÇÃO que não foi executado a tempo?

    O Qualiex pode te AJUDAR!