Sistemas de gestão

Conteúdo mínimo dos certificados de calibração

Imprimir artigo

Dando continuidade ao nosso estudo sobre certificados de calibração, vamos ao conteúdo mínimo que este documento deve possuir.

A NBR ISO/IEC 17025 – Requisitos gerais para competência de laboratórios de ensaio e calibração em sua ultima versão (2005) determina, no requisito 5.10 (Apresentação de resultados), o conteúdo mínimo que um certificado de calibração deve possuir. Mas, porque estamos utilizando como referência a NBR ISO/IEC 17025:2005 ao invés de qualquer outra norma? A NBR ISO/IEC 17025 (ou ISO/IEC 17025) é a norma aplicável às empresas ou laboratórios que executam atividades de calibração e ensaio.

A NBR ISO 10012 – Sistema de gestão de medição – Requisitos para os processos de medição e equipamentos de medição, em sua ultima versão (2004), orienta a utilização de um fornecedor competente para execução das atividades de calibração e classifica como competente, um laboratório que atenda aos requisitos da NBR ISO/IEC 17025:2005. A NBR ISO 10012 e complementar a NBR ISO 9001 e demais normas para implantação de sistemas de gestão de medição não só na indústria, mas em qualquer ramo de atividade que não estejam relacionadas a laboratórios de calibração ou ensaio.

A NBR ISO/IEC 17025 determina o conteúdo mínimo que os certificados de calibração e relatórios devem possuir. No momento, vamos nos concentrar, nos certificados de calibração os quais devem conter:

  • Titulo – “Certificado de calibração”, por exemplo.
  • Nome e endereço do laboratório e o local onde as calibrações foram realizadas, se diferente do endereço do laboratório.
    • Comentário: O fato de um laboratório ser acreditado não que dizer que esta, contemple as calibrações realizadas fora das dependências do laboratório. O escopo de acreditação deve contemplar as atividades realizadas nas dependências da organização e/ou fora desta.
  • Identificação única do certificado de calibração. Em cada página uma identificação que confirme ser parte integrante de um determinado certificado e clara identificação do final do documento.
  • Nome e endereço do cliente.
    • Comentário: Se uma empresa enviar seu instrumento a um laboratório e este terceirizar a calibração, o laboratório executor da calibração, deverá emitir um certificado para o solicitante do serviço  e indicar a empresa dona do instrumento.  Requisito 5.10.6 da NBR ISO/IEC 17025:2005.
  • Identificação do método utilizado.
    • Comentário: É aconselhável a descrição de forma breve do procedimento de calibração adotado possibilitando seu entendimento.
  • Identificação do instrumento calibrado.
  • Data da realização da calibração. 
    • Comentário: É aconselhável, que um certificado de calibração possua, data da calibração e data da emissão do certificado de calibração.
  • Resultado da calibração com as unidades de medida.
    • Comentário: As unidades de medida devem estar relacionadas ao sistema internacional de unidades (SI). Caso o resultado seja declarado em unidade de medida que não pertença ao SI, um fator de conversão ou tabela correspondente deve estar contido no certificado.
  • Nome, função e assinatura ou identificação equivalente da pessoa autorizada para emissão do certificado de calibração.
    • Comentário: Para os laboratórios que possuem serviços acreditados, o responsável é o signatário autorizado pelo CGCRE/INMETRO.
  • Declaração de que os resultados se referem somente aos itens calibrados.
  • Condições ambientais em que foi executada a calibração.
  • Declaração da incerteza da medição.
    • Comentário: Segundo o ISOGUM, a incerteza da medição deve ser declarada pontualmente, porém, é admissível que, para alguns instrumentos de medição seja declarada somente um valor de incerteza da medição o qual, é válido para todos os pontos.
  • Evidencia de rastreabilidade.
    • Comentário: A rastreabilidade deve ser comprovada até o sistema internacional de unidades. Quando um certificado de calibração possuir o símbolo da Rede Brasileira de Calibração ou qualquer outra rede nacional, a rastreabilidade é comprovada em função da obrigatoriedade e comprovação dos organismos de acreditação.

Declarações de conformidade.

Caso seja feita uma declaração de conformidade, esta deve identificar quais são os pontos conformes e não conformes assim como, a base para determinação da conformidade. Outro ponto de grande importância é fato da periodicidade da calibração. Conforme determinado no requisito 5.10.4.4 da NBR ISO/IEC 17025, uma etiqueta ou certificado de calibração não pode conter qualquer tipo de recomendação relacionado a periodicidade de calibração, exceto se acordado com o cliente, lembrando que, tal acordo, deve ser formal.

Opiniões e interpretações.

Quaisquer opiniões e interpretações devem ser documentadas.

Correções.

Com certa frequência, vemos a substituição de certificados calibrações quando estes contém alguma informação errônea. Segundo o requisito 5.10.9 da NBR ISO/IEC 17025, há duas formas para a correção de erros contidos em certificados de calibração.

  1. A emissão de um Suplemento do Certificado de Calibração o qual, deverá constar o item corrigido e o motivo pelo qual houve a correção.
  2. A substituição completa do certificado. Neste caso, o novo certificado de calibração deverá constar uma declaração informando que, este cancela e substitui um determinado certificado de calibração assim como, uma declaração do motivo pelo qual houve substituição.

Um certificado de calibração deve conter informações claras e objetivas possibilitando entendimento de todas as informações declaradas. Em nosso próximo post iremos tratar do arredondamento e compatibilização dos resultados. Ponto crucial para que possamos entender os resultados declarados, possibilitando sua comparação com o critério de aceitação.

Autor

Comentários

Posts Relacionados

← Post mais recente
Erro de Paralaxe e a Solução de Problemas