Cultura organizacional

Prefiro excelência à conformidade!

Imprimir artigo

Este título pode até parecer uma dessas frases que a gente cola na parede e busca falar em reuniões para inspirar pessoas, mas na verdade, é um conceito muito mais profundo e prático do que parece.

A primeira coisa que precisamos entender é a diferença entre excelência e conformidade.

De acordo com o dicionário, conformidade pode ser “situação ou ocorrência de cumprir ou satisfazer determinadas normas, regras ou preceitos“. Conformidade é quando algo está de acordo com o que foi planejado, que saiu do jeito que deveria sair. Na qualidade, conformidade se traduz pelo atendimento às especificações do produto ou processo, avaliada por meio de medições, testes ou auditorias.

Se analisarmos o significado de excelência veremos que é a característica do que é excelente, qualidade muito superior, grau elevado de perfeição. Sim, mas onde é que vamos chegar com essa conversa?

Para começar, excelência não é um lugar, é um jeito de fazer. Alguns vão dizer que “é fazer de um jeito excelente”, mas na verdade é fazer buscando a excelência. Você pode até me dizer: “de tanto fazer algo já somos ótimos, por isso temos excelência nisso. Está certo?”.

Para mim, não. A excelência nunca vai ser alcançada, porque no meu conceito, excelência é um jeito de se comportar em relação a normas, processos e requisitos.

Quando falo isso, digo que a excelência é algo que devemos estar buscando constantemente. E aqui que a linha entre “autoajuda da qualidade” e crença fica tênue. Nós estamos ouvindo o tempo todo que a busca pela a excelência é importante, a questão é: por que não fazemos? Por que não vivemos isso? E é aqui que isso para de ser uma utopia e se transforma em um trabalho árduo!

Vou falar de exemplos que conheço, mas muito provavelmente reflete coisas que acontecem aí na sua empresa. Tenho certeza que já ouviu coisas do tipo, “temos que fazer um Pareto, e trabalhar onde temos os principais problemas de não conformidade de processos, não precisa se preocupar com os processos X, Y e Z, estes não têm problemas significativos, no geral, todo mundo executa como deveria executar”.

Pois é, os processos X, Y, Z estão conformes e é isso me incomoda. Você encontrou um nível na conformidade e sua régua não é mais a excelência, mas aquele padrão que você acredita que é o suficiente.

Mas não é bom os processos conformes? Claro que é, mas para quem busca a excelência, a conformidade é só o primeiro passo. Conformidade, segundo o dicionário, também significa o “ato ou efeito de se conformar, de aceitar, de se pôr de acordo; conformação” e este artigo é para dizer exatamente que excelência não tem nada a ver com conformismo. Se você diz que busca a excelência e quer que sua empresa, departamento ou equipe compartilhem dessa visão, você deve ter uma postura de constante incômodo com o fato de alcançar apenas a conformidade. Eu acho fantástico, é como penso e procuro agir, mas aviso: vai dar mais trabalho!

Simplificando então, a excelência não é o lugar, é um caminho para algum lugar. É como caminhar para o horizonte, você nunca chega no horizonte, mas ele está lá, te esperando.

Certo! Então excelência agora é minha praia!

Não é bem assim, o tema não acaba aqui, esse artigo inicia uma série de discussão da excelência onde vou abordar o que é, obstáculos, riscos e métodos, inclusive vou falar de como não consigo fazer tudo isso. Adoraria ser excelente, não sou, e para falar a verdade, não consegui chegar a conformidade ainda! Mas a excelência é trabalhar a melhoria continuamente.

Tutorial de entendimento deste texto

  1. Eu não acho que você deva ter várias não conformidades de processo só pra dizer que está melhorando.
  2. Eu não acho ruim usar Pareto.
  3. Eu não acho que você deva trabalhar em processos e procedimentos que estão funcionando antes de resolver os problemas graves.

Autor

Comentários

Posts Relacionados

← Post mais recente
3 princípios para utilizar os 5 porquês de maneira efetiva!