Blog da Qualidade

Quando as intenções fazem a diferença

Receba Nossa News

Os conteúdos mais legais sobre qualidade, semanalmente em seu e-mail

Todos os dados inseridos aqui, estão resguardados pela Política de Privacidade da ForLogic, totalmente adequada a LGPD e ISO 27001 (Segurança da Informação).

Jeison

Jeison

Sou co-fundador da ForLogic Software, hoje atuo com gente, cultura e gestão. Sou um dos criadores do Qualiex, do Qualicast (o 1º Podcast nacional focado em qualidade), criador do Blog da Qualidade (o maior blog sobre Qualidade do Brasil). Mestre em Engenharia da Produção pela UTFPR (Universidade Tecnológica Federal do Paraná), auditor líder formado com orgulho pela ATSGna ISO9001 e 22000, pai, empreendedor, e um inconformado de plantão!
Acredito na responsabilidade do indivíduo, no poder da qualidade e que podemos fazer diferente. Me acompanhe no Linkedin e no Instagram.

Todos já ouviram a frase, de boas intenções o inferno está cheio. Você concorda com isso? E se eu te provar que a frase está errada, ou pelo menos incompleta? E sim, isso tem a ver com gestão.

Essa semana fazemos 19 anos de empresa, digo sem medo de errar, que fizemos muita burrada no caminho, erros que não queríamos ter cometido. Porém, sem sombra de dúvidas, tivemos mais acertos que erros.

Tenho um orgulho enorme de estar aqui, e eu suspeito que sei, porque as coisas funcionaram pra nós.

Algo que sempre cuidamos aqui, foi das nossas INTENÇÕES. No começo, meio “sem querer querendo”, como dizia o saudoso “Chaves”. Hoje é diferente, as intenções são pensadas de forma mais ordenada, isso porque particularmente acredito que as intenções têm um poder gigantesco no negócio.

De boas intenções o inferno está cheio?

Vamos falar disso, esse ditado, tem sua justificativa, e eu compreendo quando escuto alguém falar isso. Mas eu sugiro que façamos um reparo, e a frase deveria ficar assim:

“De boas intenções, que não viraram ações, o inferno está cheio”

Digo isso porque realmente, ter uma intenção e não agir, não muda nada. Agora, quando a boa intenção precede uma ação, TUDO muda pelo simples fato de que as Intenções corretas são o primeiro passo para ações corretas.

Boas intenções nos ajudam a chegar no objetivo, do jeito certo e fazendo a coisa certa.

Corrijo o ditado, porque você só afeta o mundo por meio de suas ações, suas intenções. São suas, internas, elas não modificam a realidade.

Agora quando você age, quando toma uma ação, isso pode mudar a realidade de maneira objetiva.

Por isso, quando você tem boas intenções, que se transformam em ação,  está praticando o bem, exercendo sua função no mundo com intenções corretas. E isso muda o jogo.

Não imagino o inferno cheio de gente que tinha boas intenções e agiu para realizar seu intento. Agora, talvez estejam lá pessoas que só tinha boas intenções, ou diziam que tinham, mas na hora de agir, atuavam de outra forma.

E o que intenção tem a ver com gestão?

Tem tudo! Uma vez que  um dos objetivos da gestão é mover uma empresa, negócio ou um projeto, de um ponto A para um ponto B, e a única maneira de fazer isso é por meio de ações.

A intenção tem muito significado porque ela determina que tipo de ação você vai tomar, e mais, ela alinha seu pensamento, com discurso, e a sua conduta. Com isso, você se torna alguém que pensa, fala e age de maneira coerente.

Se você está com intenção correta, a tendência é que as suas ações tragam bons frutos, e isso não é “acaso”, é uma questão de conforto.

Vamos supor que você tome ações na direção da sua intenção, quanto mais forte for sua intenção, menos fricção, atrito e dúvida você vai ter na hora de agir, logo, você atua com mais tranquilidade.

E tem mais, não é só você que percebe isso, o seu time também vai perceber que você está agindo com entusiasmo e de maneira genuína. Não precisa acreditar em mim, basta lembrar de alguma ocasião em que uma pessoa que você confia muito, agiu de acordo com as intenções dela.

Você vai lembrar de alguém que você tem certeza de que agiu assim. Essa pessoa estava sendo 100% verdadeira, e muito provavelmente, você torceu ou até mesmo apoiou, para que as ações trouxessem bons frutos.

Eu estou explicando de outra forma o famoso “universo conspira a favor”.

Cuidado, só a intenção pode enviesar seu olhar

A intenção é indutora, ela é o ponto de partida, mas sozinha, é vazia, não traz resultado algum. Mais do que isso, se você ficar só na intenção, sem avançar para a ação, seu olhar fica enviesado.

Foi Fred Koffman o primeiro a me alertar: Nós nos avaliamos baseados nas nossas intenções, enquanto julgamos os outros, baseados nas suas ações. Por isso, você precisa materializar suas intenções por meio de ações que levem sua intenção a cabo.

Tome cuidado para não esquecer que, só você conhece realmente sua intenção, e que você geralmente não conhece a intenção do outro. Logo, dele, você enxerga apenas a ações. E uma ação, por mais bem intencionada que seja, pode sim dar errado.

A intenção não garante sucesso, mas aumenta a chance de um alinhamento correto de “partida”. Vamos a um exemplo disso.

Mostrando que intenção faz diferença.

Pense que o local onde você trabalha, opta por ajudar uma escola ou creche na sua cidade. O objetivo é pintar a escola em um sábado. Vai ser um dia todo de trabalho, e a empresa convoca voluntários para essa empreitada.

A ação está clara: Pintar a escola. Faz diferença a intenção? Vamos analisar isso com calma, pensando em um caso hipotético, mas prático.

Se você, colaborador, se voluntariou a participar na sexta-feira, pela manhã descobre o seguinte:

  • Hipótese 1: que o seu chefe, ou o prefeito, alguém convocou a imprensa, que teremos carros da empresa, preparando para todos para uma foto a tarde na frente da escola. E que essa mesma pessoa disse que pouco importa quem vai lá pintar, só não podemos atrasar para foto. Ele quer a foto pronta, para sair no jornal de domingo.
  • Hipótese 2: que o seu chefe, pediu para todos que se voluntariaram participar de um pequeno treinamento a tarde com um pintor que é amigo dele, de como fazer para conseguir fazer uma “melhor cobertura” e pintura durar mais. E que essa mesma pessoa disse, que é preferível que só voluntários que conseguiram participar do treinamento atuem com a pintura, os demais podem ajudar com outras atividades.

Quais são as intenções nessas duas hipóteses? Qual você vai ter mais prazer em participar? E em qual você vai se motivar mais? Vamos pensar mais, indo diretamente para a ação “Pintar a escola”.

Olhando para as duas situações e suas intenções, em que caso, a ação “PINTAR A ESCOLA” vai ter o melhor resultado?

Veja que a ação é praticamente a mesma, mas a intenção que precede a ação, muda tudo. E mais, muda a todos.

Concluindo

Não pense que é diferente com seu cliente, ou com o seu colaborador. As pessoas, quando percebem as intenções, agem de maneira diferente, e o resultado das ações, tende a mudar também.

Sempre vale refletir aí: Quais as intenções que eu tenho quando faço a gestão aqui? São as intenções corretas?

Estamos fazendo 19 anos de Forlogic, e estamos rediscutindo nossas intenções aqui no negócio. Quero que você saiba que aqui no blog, nossa intenção sempre foi levar conteúdo inédito e de valor para quem trabalha com qualidade, excelência e gestão.

Aproveito e deixo uma promessa, de um artigo onde vamos falar de quais intenções são mais adequadas para seus projetos, negócios e empreendimento.

Meu muito obrigado de verdade! Que venham os próximos 19 anos!

Sobre o autor (a)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Blog da Qualidade

Artigos relacionados