Ferramentas da qualidade

A utilização das ferramentas da qualidade na gestão das organizações

Imagem thumb da Ana Giovanoni retirada do seu curso sobre A utilização das ferramentas da qualidade na gestão das organizações.
Imprimir artigo
Redefinir

Você já pensou sobre o quanto o conhecimento e aplicação das ferramentas da qualidade podem auxiliar a sua gestão de processos, projetos e objetivos estratégicos?

Pois é! Foi pensando em apoiar as lideranças e os profissionais da qualidade no gerenciamento do plano estratégico e da rotina de trabalho que resolvi escrever sobre as ferramentas da qualidade. 

Sou fã das ferramentas e utilizo-as continuamente nas minhas atividades. Elas me auxiliam a aprofundar a análise sobre um determinado tema, permitindo perceber detalhes, falhas, oportunidades de melhoria. Além de conhecer com mais profundidade suas causas para tratar de forma mais efetiva. 

Estou convicta que o desafio das pessoas e organizações nesta nova era que estamos vivenciando, será gerenciar estratégias, processos e projetos com menos custos. Isso de forma integrada, com ênfase na experiência do cliente, de maneira simples, objetiva e enxuta. 

As ferramentas da qualidade são o apoio metodológico para tudo isto acontecer!

O que são as ferramentas da qualidade? 

As ferramentas da qualidade são metodologias e técnicas utilizadas para identificação e priorização de problemas, elaboração e implementação de soluções e verificação de resultados. 

Assim como um médico tem suas ferramentas cirúrgicas, o engenheiro tem seus instrumentos de trabalho, os gestores das empresas também possuem seu arsenal. As 7 principais ferramentas da qualidade são:

Fluxograma: é um diagrama que expressa um determinado processo de forma sequencial, gráfica, simples, objetiva e direta. Representado por figuras geométricas que simbolizam etapas do determinado processo.
Cartas de Controle: conjunto de pontos ordenados, no tempo, que são interpretados em função de linhas horizontais, chamadas de Limite Superior de Controle (LSC) e Limite Inferior de Controle (LIC). É utilizada para o monitoramento do processo facilitando a ação da empresa na correção de problemas eventuais.
Diagramas de causa-efeito (espinha de peixe ou diagrama de Ishikawa): permite estruturar hierarquicamente as causas de um problema, auxiliando na organização de todas as causas potenciais ou reais que resultam num único problema.
Folhas de Verificação: é a ferramenta mais simples das sete ferramentas. Trata-se de tabelas, planilhas ou quadros estruturados usados para facilitar a coleta e análise de dados. A folha de verificação é um formulário em que os dados coletados são preenchidos de forma rápida, fácil e concisa.
Histogramas: representação gráfica, em colunas (retângulos), de um conjunto de dados previamente tabulados, sendo que a base de cada retângulo representa uma classe e a altura representa a quantidade ou frequência com o que o valor dessa classe ocorreu. Permite a visualização dos valores centrais, sua dispersão e forma de distribuição.
Gráficos de Dispersão (Diagrama de Dispersão): representações de duas ou mais variáveis organizadas em um gráfico, demonstrando a correlação entre as variáveis estudadas.
Diagrama de Pareto: ferramenta estatística que auxilia na tomada de decisão, permitindo priorizar os problemas. O princípio de Pareto classifica os problemas em 2 categorias: poucos vitais e muitos triviais. Este princípio, mais conhecido como regra 20-80, nos orienta que 20% das causas principais são responsáveis por 80% dos problemas de uma organização. Se solucionarmos os 20% teremos a maior parte dos problemas resolvidos.

Elas são conhecidas como ferramentas básicas para auxiliar pessoas com baixo conhecimento em estatística, a resolver a maioria dos assuntos relacionados à qualidade.

Bons softwares disponibilizam a aplicação dessas ferramentas de maneira mais fácil e otimizada ainda. Se você é cliente do Qualiex, soluções para gestão da qualidade, com certeza já elevando o nível da sua gestão. Se você não é, deveria conhecer!

As ferramentas da qualidade são relevantes neste momento de pandemia? 

A denominação tem origem no Japão pós-guerra, inspirada pelas famosas sete armas de Benkei. Possivelmente foi introduzida por Kaoru Ishikawa, influenciado por uma série de palestras em que W. Edwards Deming tinha apresentado para engenheiros e cientistas japoneses em 1950. 

Naquela época, as empresas que tinham se empenhado em treinar seus trabalhadores em controle de qualidade estatístico, perceberam que a complexidade do conteúdo intimidava a grande maioria dos trabalhadores. 

Desta forma,  reduziram este nível para que o foco do treinamento fosse principalmente nos métodos mais simples que satisfaziam suficientemente a maior parte dos problemas com relação à qualidade. 

Analisando o contexto histórico, estamos vivendo um novo momento de muitas mudanças. Não é uma guerra civil, mas uma situação grave de crise envolvendo a saúde pública mundial. 

Estamos no momento certo para retomar as ferramentas da qualidade, pois elas objetivam simplificar e facilitar a resolução de problemas e aperfeiçoar o controle e gestão da qualidade. 

E as organizações dos mais diversos segmentos, neste momento de pandemia, deverão se preocupar em capacitar pessoas para o uso das ferramentas da qualidade? 

As principais aplicações das ferramentas da qualidade na gestão das organizações

Minha crença de que as ferramentas da qualidade utilizadas de forma rotineira pelas organizações, de qualquer segmento, em reuniões de Análise Crítica pela Alta Direção ou nas Análise de Desempenho realizadas pelas lideranças para avaliar seus processos e projetos, são fundamentais para o desenvolvimento cultura de qualidade.

Isto confirma-se com a chegada da pandemia. Tive a felicidade de evidenciar que as organizações com sistemas de gestão em pleno funcionamento, reuniões sistematizadas, planejamento estratégico implementado e monitorado, com conhecimento e aplicação das ferramentas da qualidade, agiram mais rapidamente nessa crise. Criaram seu Plano de Contingência ou o Plano de Gerenciamento da Crise e estão utilizando essas ferramentas para seu gerenciamento. Esta prática está internalizada na rotina destas organizações.

Um caso real de impactos pela falta da qualidade e suas ferramentas

Na região que resido, estamos com situação grave de contaminação pelo coronavírus. É uma região dedicada ao segmento de produção de alimentos, no qual temos muitos frigoríficos. 

Por decisão do ministério público, apoiado pelo judiciário, alguns foram interditados e tiveram que suspender por alguns dias o seu funcionamento. Sabem por que? Pela dificuldade dos órgãos fiscalizadores identificar um Plano de Contingência implementado, funcionando de forma efetiva e que, de fato, estivesse priorizando a saúde dos trabalhadores. Desta forma, mantendo o distanciamento social e demais medidas sanitárias orientadas pelo Ministério da Saúde. 

Neste contexto e por determinação estadual, foi realizado teste rápido para Covid-19 numa unidade industrial na qual identificou-se que mais de 80% dos funcionários estavam contaminados.

Um caso real dos benefícios da qualidade e o uso das ferramentas

Por outro lado, temos um outro frigorífico, cliente do Grupo Giovanoni, no qual atuamos como instrutores do curso de Ferramentas da Qualidade, que ocorre de forma sistematizada, anualmente, há mais de 10 anos para os funcionários participantes dos Grupos de Controle da Qualidade (CCQs). 

Esses funcionários participam de forma voluntária dos projetos para resolver problemas, utilizando o método PDCA e MASP, com a aplicação das ferramentas da qualidade. 

Anualmente, são envolvidos mais de 300 funcionários nestes grupos, os quais realizam projetos totalmente customizados e geram resultados financeiros para o negócio. 

A folha de verificação, para coletar os dados, o Ishikawa para identificar as causas e o Pareto para priorizar as causas principais. Assim, resolvem rapidamente os problemas por meio de planos de ações efetivos e isso tem sido prática nesta organização com cultura de qualidade. 

Desde o início da alerta sobre Covid-19, este frigorífico criou um Comitê COVID-19, liderado pelo seu presidente, e não houve necessidade de fechamento de nenhuma das suas unidades industriais. Além de identificar pouquíssimos casos de funcionários com coronavírus, sendo que todos foram originários de contaminações externas.

O Plano de Contingência desta cooperativa contempla a análise do Perfil Epidemiológico do quadro funcional, identificação de grupos críticos, adoção de medidas específicas para cada um desses grupos. No entanto, também abordam medidas de mudança nos fluxos de trabalho nas linhas de produção, redução de carga horária nos setores com maior acúmulo de pessoas, monitoramento diário da termometria entre outras. 

O conhecimento nas ferramentas da qualidade e a cultura de adoção delas na rotina das atividades gerenciais e operacionais permitiu resposta rápida. Assim, foi criado um plano para identificação, controle, monitoramento e prevenção da transmissão do coronavírus. Isto é a cultura da qualidade apoiando a continuidade dos negócios.

E você, já conhece e utiliza as ferramentas da qualidade?

Quero provocar uma reflexão e ouvir a opinião dos leitores deste blog sobre a minha convicção em relação à relevância da utilização das ferramentas da qualidade no gerenciamento da rotina. 

Alinhado ao propósito de transformar a gestão das organizações e promover a qualidade na cultura das organizações de todos os segmentos, a ForLogic e o Grupo Giovanoni atuam de forma colaborativa. Portanto, neste momento, uniram-se para criar um curso prático no qual demonstramos a utilização das principais ferramentas da qualidade aplicadas ao método PDCA e ao MASP para solução de problemas. 

Se você quer fortalecer seus conceitos e utilizar as principais ferramentas da qualidade na gestão para gerenciar a rotina, resolver problemas e promover a qualidade, de forma simples e prática, participe deste curso.

Estamos esperando você!

Acessar curso online

Autor

Comentários

Posts Relacionados

Imagem com um computador sendo utilizado de tela principal e outros computadores logo a frente. Nessa imagem, o foco é sobre analisar criticamente os resultados dos indicadores.
← Post mais recente
7 passos para analisar criticamente os resultados dos indicadores