Blog da Qualidade

Pare de produzir com qualidade!

Receba Nossa News

Os conteúdos mais legais sobre qualidade, semanalmente em seu e-mail

Todos os dados inseridos aqui, estão resguardados pela Política de Privacidade da ForLogic, totalmente adequada a LGPD e ISO 27001 (Segurança da Informação).

Eduardo Melo

Eduardo Melo

Engenheiro Químico pela Escola de Engenharia da UFMG. Black Belt, Six Sigma pela Werkema Consultores. Pós-Graduado em Gestão de Laboratórios pela UNICAMP. Gerente de Laboratórios da CSN Mineração. Coordenador da Comissão de Estudos para Amostragem e Preparação de Amostras em Minério de Ferro para a ABNT – Associação Brasileira de Normas Técnicas. Acredita profundamente que: “Nosso maior medo não deve ser o fracasso, mas ser bem sucedido no que não importa.” – Francis Chan. Para me conhecer mais, acesse meu LinkedIn.

“Temos de produzir este lote com qualidade excelente! Este lote de produtos vai para o nosso NOVO CLIENTE e precisamos garantir este NOVO CONTRATO! Trata-se do futuro de nossa empresa!” Por mais dolorosa que possa parecer, esta frase reflete a atitude de muitos empresários e diretores por aí. Produtos extremamente perfeitos, com um nível de qualidade superior, até que se tenha o contrato com o novo cliente. A partir daí…

Vivemos um grande dilema. E eu o chamo de produzir com qualidade! Isto porque, se existe a possibilidade de produzir COM qualidade, também existe a possibilidade de produzir SEM qualidade. Ou seja, para algumas empresas, a qualidade não é um valor que se pratica no dia a dia da organização, mas um processo que você liga ou desliga de acordo com o momento e o interesse.

De nada adianta adotar uma série de princípios e filosofias e não praticar isso rotineiramente. É como comprar uma moderna máquina de cortar grama e continuar utilizando a tesoura. O trabalho continuará ineficiente, lento, caro e as dores nas costas não cessarão. Os sistemas de qualidade são exatamente o que queremos que eles sejam, mostram a organização, sua cultura e sua filosofia. São apenas o nosso reflexo, como um espelho, e eles sempre irão revelar o nosso ritmo!

Qualidade é um valor! Qualidade não é um equipamento ou um processo! Não pode existir a possibilidade de se ter momentos em que se pratica e momentos em que não se pratica a qualidade. Caso a cultura de sua organização seja esta, realmente, a prática dos princípios e programas de incentivo e controle da qualidade serão um fardo! Um fardo pesado e caro!

Pesado, pois existirá uma série de retrabalhos a serem realizados para garantir as especificações do cliente, para utilizar insumos de baixa qualidade, tratar com fornecedores ruins, para atender as diretrizes e manuais da empresa e, principalmente, para demonstrar que se faz o que, na verdade, não se pratica.

E caro! Muito caro, porque gastar dinheiro com controles, treinamentos, pesquisas de satisfação, indicadores e muitas horas de trabalho que não geram resultado sólido, é muito caro!

Qualidade é um requisito que tem de ser inerente a todos os produtos e serviços. Uma empresa que quer se sobressair em um mercado altamente competitivo tem de se diferenciar das demais e produzir produtos que primam por sua qualidade é apenas uma pequena parte! Estão inclusos em priorizar a qualidade: promover a melhoria contínua de produtos e processos, se tornando cada vez melhor, mais eficiente e mais barato! Garantir a satisfação do cliente. Avaliar e desenvolver bons fornecedores. Utilizar ferramentas para trabalhar com dados e fatos! Ter colaboradores que garantem uma operação padronizada, que são bem treinados e que vão e voltam à empresa felizes em contribuir mais e melhor a cada dia e, é claro, devidamente remunerados. Priorizar a qualidade é, antes de tudo, ir além!

O mestre Ishikawa utiliza a seguinte definição:

A qualidade é uma revolução da própria filosofia administrativa, exigindo uma mudança de mentalidade de todos os integrantes da organização, principalmente da alta cúpula”.

Temos de nos mover e parar de pensar que existem dois processos: produção e qualidade! Ou eles são um só ou não são nada!

Só sobrevive quem tem o tema qualidade no sangue e não abre mão dele de forma alguma. A qualidade tem de fluir pelas artérias da organização, criando raízes na cultura de forma que seja impossível separar o tema do dia a dia da operação e da administração. Respirar qualidade, pensar qualidade, viver qualidade e, enfim, produzir qualidade!

Produzir produtos que sejam rentáveis, que agreguem valor ao cliente, que permitam à empresa se destacar das demais. A partir deste momento, com certeza, não haverá retrabalhos para separar os produtos “que vão garantir o novo contrato”, pois todos os produtos seguirão o padrão de qualidade que deveriam seguir!

Nesse momento, a qualidade deixará de ser um processo liga e desliga! Não haverão dois produtos, os com qualidade e os sem qualidade ou de qualidade inferior!

E para finalizar, gostaria de deixar uma reflexão. Muitas empresas têm adotado o conceito de “produtos de segunda linha. Estes nada mais são que produtos que tem uma qualidade inferior a um preço mais barato! A estas empresas, desejo sorte, sorte para que não se transformem em “empresas de segunda linha”.

Sobre o autor (a)

11 comentários em “Pare de produzir com qualidade!”

    1. Eduardo Melo

      Muito obrigado, Rafael! Passe sempre por aqui. Estamos sempre publicando novidades! Grande abraço. Eduardo

  1. Xavier Chiuaula Jr.

    Alô Eduardo, na verdade o título me deixou confuso. Será que estava dizendo que produzir COM qualidade significa seguir a filosofia da qualidade apenas quando temos um desafio (caso da conquista do novo cliente)?
    Abraço

    1. Eduardo Melo

      Xavier, nem sempre conseguimos escrever exatamente o que queremos dizer! Mas, vamos lá! Vou tentar me explicar! O que eu quis dizer foi o contrário, devemos praticar a qualidade não apenas quando queremos conquistar um novo cliente. Temos de praticar a qualidade SEMPRE. Se não tiver conseguido me explicar, por favor, deixe um novo comentário. Grande abraço. Eduardo

  2. Muito bom seu artigo. Sempre pergunto aos meus clientes se eles querem fazer a qualidade acontecer na sua empresa ou um certificado para pendurar na parede? Parafraseando Pareto, os “pouco e úteis” incorporam a qualidade, ou outros… Parabéns pela artigo.

    1. Eduardo Melo

      É por aí, mesmo! A qualidade tem de ser bem mais do que um certificado na parede. Este pensamento por si só já demonstra que seus clientes tem um consultor diferenciado. Parabéns! Grande abraço. Eduardo

  3. Acredito que você NÃO foi feliz na escolha do titulo deste artigo.

    Com a evolução da Gestão da Qualidade e da exigência dos consumidores no Brasil, principalmente nas grandes capitais, restaram poucas empresas que atuam da forma a produzir produtos de segunda linha. As que praticavam isso, já não existem mais, ou restam tão poucas que deixou de ser significativo. Talvez minha amostragem não seja tão representativa como a sua.

    1. Eduardo Melo

      Olá, Sérgio! Com certeza, as maioria das empresas estão em um rápido processo de evolução, mas ainda temos muitas outras que necessitam evoluir. Cada um de nós tem suas experiências profissionais e fico feliz que não tenha vivenciado experiências como esta. Grande abraço. Eduardo

  4. Gustavo Reinaldo

    Artigo MARAVILHOSO, simplesmente incrível! Parabéns!
    Deveria ser leitura obrigatória a todo e qualquer gestor.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Blog da Qualidade

Artigos relacionados