Melhoria contínua

Manutenção Produtiva Total – TPM (Total Productive Maintenance)

Imprimir artigo

Um dos nossos posts anteriores apresentou a importância da manutenção para a correção e prevenção das falhas durante a operação. Apresentamos agora a Manutenção Produtiva Total (TPM), que além de preocupar-se com as correções e prevenções das falhas, tem como objetivo principal eliminar as perdas geradas no fluxo de produção através da integração dos setores de manutenção e operações.

A TPM é muito mais do que fazer manutenção. É uma filosofia gerencial que atua na forma organizacional, no comportamento das pessoas de como tratam os problemas, não só os de manutenção, mas todos ligados ao processo produtivo, pois gera um comprometimento dos colaboradores onde todos se sentem parte integrante do processo.

A TPM apoia-se em 3 princípios fundamentais:

  • melhoria das pessoas;
  • melhorias dos equipamentos;
  • qualidade total.

Estratégias TPM

Para aumentar a produtividade, a TPM procura eliminar 6 grandes perdas sofridas no processo:

  • Perda 1 – Quebras: quantidade de itens que deixam de ser produzidos porque o equipamento quebrou. Caso tivesse sido realizada a manutenção preventiva, provavelmente esse problema não ocorreria.
  • Perda 2 – Setup (ajustes): quantidade de itens que deixam de ser produzidos porque a máquina está sendo ajustada para a produção de um novo. A empresa deve combater esta perda através de trocas rápidas.
  • Perda 3 – Pequenas paradas/tempo ocioso: quantidade de itens que deixam de ser produzidos devido a paradas no processo para pequenos ajustes.
  • Perda 4 – Baixa velocidade: é a quantidade de itens que deixam de ser produzidos porque o equipamento está operando em uma velocidade menor que a normal. Esse fato dá-se devido à falta de manutenção preventiva.
  • Perda 5 – Qualidade insatisfatória: é a quantidade de itens perdidos, quando o processo já entrou em regime (quando ocorre algum problema durante a operação, que vai gerar a perda do produto).
  • Perda 6 – Perdas com start-up: é a quantidade de itens perdidos, quando o processo ainda não entrou em regime (quando é identificado problemas com os insumos, o que impede sua entrada no processo e gera sua perda).

 O que as perdas definem?

  • As perdas 1 e 2 definem o índice de disponibilidade do equipamento;
  • As perdas 3 e 4 definem o índice de eficiência do equipamento;
  • As perdas 5 e 6 definem o índice de qualidade do equipamento.

A filosofia TPM gera um comprometimento de todos os funcionários, aos quais são transferidos uma maior responsabilidade sobre as operações realizadas, pois se o equipamento está com um ruído diferente ou operando abaixo da velocidade, o funcionário comprometido com o processo vai tentar solucionar o problema ou comunicar quem possa resolvê-lo. Portanto, é esse envolvimento que a TPM cria nas pessoas, mas para isso, a empresa não deve esquecer-se que além da manutenção dos equipamentos, deve cuidar também da manutenção e motivação de seus colaboradores, pois são eles os principais elementos do processo.

REFERÊNCIAS

MARTINS, Petrônio G. LAUGENI, Fernado P. Administração da Produção. São Paulo: Saraiva, 5ª ed., 2005.

RODRIGUES, Marcus Vinicius. Ações para a qualidade: GEIQ, gestão integrada para a qualidade: padrão seis sigma, classe mundial. Rio de Janeiro: Qualitymark, 2004.

 

Autor

Comentários

Posts Relacionados

← Post mais recente
Você utiliza o PDCA para votar nas eleições municipais?