Blog da Qualidade

WEBINAR AO VIVO
Dia 05 de Abril 10h00min

Avaliar treinamentos é diferente de avaliar a eficácia dos treinamentos

Receba Nossa News

Os conteúdos mais legais sobre qualidade, semanalmente em seu e-mail

Todos os dados inseridos aqui, estão resguardados pela Política de Privacidade da ForLogic, totalmente adequada a LGPD e ISO 27001 (Segurança da Informação).

Davidson Ramos

Davidson Ramos

Auditor Líder ISO 9001:2015 e autor de centenas de artigos sobre Gestão da Qualidade, sempre acreditei que as pessoas têm o poder de mudar o mundo a sua volta, desde que estejam verdadeiramente engajadas nisso. Por isso me dedico a ajudar as pessoas a criar laços verdadeiros com seu trabalho, porque pessoas engajadas mudam o mundo!

Avaliar treinamentos é importante e avaliar a eficácia dos treinamentos é parte do requisito de Competências da ISO 9001:2015 (mais especificamente, requisito 7.2, alínea b). Pelo volume de dúvidas que já recebemos sobre esse assunto, sabemos que é um desafio para os gestores.

Além disso, muitas pessoas se voltam a “atender a norma” e esquecem que esse processo é crítico para melhoria do processo e da empresa. Por isso, quero escrever alguns artigos dando insights sobre como fazer essa avaliação e também despertar um pouco da consciência sobre a real importância dela.

Neste texto (que será o primeiro de 3 ou 4 artigos) quero começar esclarecendo uma confusão comum:

Avaliar treinamentos é uma coisa; avaliar “a eficácia dos treinamentos” é outra!

É importante entender isso antes de pensar em qualquer outra coisa. Vejo muita gente confundindo as coisas, avaliando o treinamento ao invés de avaliar sua eficácia.

Avaliar “o treinamento”

Avaliar o treinamento corresponde a entender se ele tinha um bom material didático, se cumpriu o cronograma/conteúdos que estavam na grade, se o professor sabia explicar o assunto, se as dinâmicas eram relevantes, etc.

Aqui, a avaliação está voltada para o processo do treinamento em si, e não para a pessoa. Você vai literalmente avaliar o curso, treinamento ou workshop, e não se as pessoas desenvolveram ou não as competências.

Avaliar “a eficácia dos treinamentos”

Já avaliar a eficácia do treinamento corresponde a entender se o treinamento atingiu o objetivo esperado, por exemplo: as pessoas se aprofundaram em determinado assunto? Conseguem praticar determinada atividade? Elas são capazes de multiplicar experiências? São capazes de executar o novo processo, tratar uma NC, revisar um documento, etc?

Ps: entender o objetivo do treinamento é o primeiro passo da avaliação de eficácia, e será tema do próximo artigo dessa série. 😊

Aqui, a intenção é avaliar se o resultado do treinamento foi o esperado. Assim, a avaliação está voltada às pessoas e não ao treinamento em si. O foco é entender se os colaboradores realmente adquiriram novas competências.

Qual avaliação eu devo fazer?

Antes de mais nada, é preciso entender essa distinção. Afinal, pode acontecer de um treinamento ser muito mal avaliado, mas, mesmo assim, as pessoas ainda adquirirem as novas competências. Bem como, um treinamento muito bem avaliado não trabalhar as competências necessárias nas pessoas.

De qualquer forma, acredito que ambos os tipos de avaliação são importantes. Porém, cada uma tem um objetivo específico e pode ser utilizado para uma tomada de decisões diferente.

Por meio da avaliação do treinamento, por exemplo, você atualiza sua base de fornecedores ou avalia se a organização tem capacidade de treinar internamente seus colaboradores. Já avaliação da eficácia do treinamento vai mostrar se as capacitações estão aprimorando as competências das pessoas. É isso que traz resultados e melhorias para os processos (ou seja, se você alcançou o objetivo com aquele treinamento)!

Nos próximos artigos, vou falar mais da avaliação de eficácia dos treinamentos. Assim, se você tiver alguma dúvida, já deixa nos comentários! Se eu souber a resposta, hehe, escrevo em algum dos artigos da série. Até a próxima!

Ps II: aproveitando a deixa, lançamos recentemente a ACADEMIA DA EXCELÊNCIA, a plataforma de ensino a distância oficial do Blog da Qualidade (e de todo o Viver Excelência). Então, se você precisa adquirir competências sobre gestão por processos, indicadores, não conformidades e técnicas para aprimorar seu sistema de gestão, acessa lá!

Sobre o autor (a)

9 comentários em “Avaliar treinamentos é diferente de avaliar a eficácia dos treinamentos”

  1. Luiz Cláudio Ribeiro Ribeiro

    Boa tarde pessoal.
    Li o artigo do Davidson e acho muito importante para qualquer organização o requisito Treinamento. Excelente.
    No intuito de contribuir, gostaria de mencionar o que preconiza a ABNT NBR ISO 10015 Diretrizes para Treinamento.
    Esta norma nos fornece uma importante diretriz que é como se deve tratar esta questão de treinamentos em qualquer organização. Na verdade, ela propõe que os treinamentos sejam orientados em quatro estágios, sendo cada um deles monitorados de forma específica. Analisar treinamentos e avaliá-los. Vejam a tabela apresentada na norma. Na minha humilde experiência, as organizações às vezes se perdem em não analisar de forma EFICAZ, as definições dos treinamentos realmente necessários aos processos que asseguram a qualidade dos produtos ou serviços, causando desgaste de colaboradores, desperdício de tempo e dinheiro, sem apontar ao não atingimento das reais competências necessárias aos processos.
    Convido a vocês a seguir os artigos do Davidson e procurar entender melhor a NBR referida.
    Segue o ciclo de treinamento proposto pela norma.
    Att
    Luiz Cláudio Ribeiro

    1. Que ótimo comentário, Luiz! Ainda mais citando a 10015! Obrigado pelo feedback e por contribuir, me deu um insight aqui de, talvez, escrever um artigo sobre essa norma para a série!

      Grato por você acompanhar nosso trabalho, forte abraço! 👊😎

  2. Muito bom! Como sugestão, poderia dar um exemplo de como avaliar a eficácia dos treinamentos ? Quais seria os tipos de perguntam, destina-se para quem, como seria essa avaliação ?

    1. Oi Maria, tudo bem?

      Esse é tema do meu próximo artigo da série, hehe! Que saí amanhã inclusive, se inscreve na nossa newsletter para não perder!
      =D

  3. Pingback: Software não é Gestão da Qualidade - Blog da Qualidade

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Blog da Qualidade

Artigos relacionados