Melhoria contínua

Quais os riscos na busca pela excelência?

Imprimir artigo

Hoje vamos falar de riscos na busca pela excelência, sim, existem riscos, e o que mais me aflige e às vezes atrapalha em muitos aspectos, é o que chamo de PAPPENA: “Paralisia Procrastinatória da Perfeição Não Adquirida”. É uma síndrome na qual o que devia ser feito fica paralisado e é procrastinado pelo simples fato de não ser possível que seja realizado com perfeição logo na primeira vez, geralmente porque irá faltar algo.

Confuso né? Eu sei que o nome que eu criei é horrível, mas pior ainda é o efeito causado por essa síndrome. Eu vou descrever de um jeito rápido o que acontece, o porquê de isso acontecer e os impactos que isso tem e você vai analisar se aí na sua empresa tem PAPPENA ou não.

Imagine que você precisa fazer algo muito importante, mas você ainda não sabe como fazer tudo, provavelmente no começo vai sair ruim, não vai ficar como você gostaria, então o que acontece? Você procrastina o que devia ser feito, uma, duas, três, dez vezes, e a coisa simplesmente não anda, fica paralisada.

Eu tenho um caso real, retomamos um assunto aqui de lançar o PODCAST sobre qualidade. É lógico que não temos nem ideia de como fazer isso, mas como tudo na vida, temos que estudar, fazer, testar, corrigir e voltar a fazer, em resumo, executar o PDCA.

Quando decidi que íamos fazer isso, vieram alguns pensamentos e questionamentos: “poxa, não podemos fazer nada meia boca. Tem que ser perfeito. Mas será que isso não vai dar muito trabalho? Sabemos como fazer? Temos tempo? Vamos conseguir dar continuidade? Temos recursos e equipamentos? Por onde começamos? ” E por aí vai… então resolvi levantar desde quando esse projeto está literalmente engavetado, e… vão completar 4 anos.

Esses questionamentos eram provavelmente os mesmos há 4 anos atrás, nosso discurso não mudou, nosso conhecimento também não, eu ainda não sabia todos os detalhes do “como vamos fazer”, não tínhamos certeza de nada, mas eu sabia de uma coisa: se não enfrentássemos a tarefa, nada evoluiria!

O mais curioso é que as dúvidas vêm não pela facilidade ou dificuldade de fazer, e sim porque queremos que saia perfeito na primeira vez. Muitas vezes falamos coisas como “poxa, já temos um público que nos acompanha no Blog da Qualidade, não podemos entregar algo ruim, tem que ser excelente! ”.

Bingo. É aqui que a busca pela excelência, que é uma coisa boa, se transforma em PAPPENA (Paralisia Procrastinatória da Perfeição Não Adquirida), e é isso que temos que combater a todo custo.

É claro que temos que minimizar os impactos negativos do “início” de qualquer projeto, que provavelmente não será perfeito, por isso é necessário alinhar a expectativas, preparando-se para alguns tropeços e conduzindo as atividades da melhor forma possível para errar o mínimo.  Mas definitivamente: PRECISAMOS começar!  Começando agora, em alguns meses estaremos na conformidade, e em mais alguns estaremos melhorando a cada episódio do QUALICAST indo rumo à excelência, que é o nosso objetivo em tudo que fazemos, mas isso só vai acontecer se começarmos!

Você pode ouvir o episódio piloto do Qualicast, nosso podcast sobre qualidade, excelência e gestão, clicando no botão abaixo:

 

Agora pense aí na sua empresa, quantos processos, projetos e coisas legais deixaram de ser feitas porque vocês não começaram?  Tem uma frase que aprendi com o Orlando Pavani e que ajuda a gente a sair da PAPPENA.

“O feito vem antes do perfeito.”

Por isso, primeiro façamos.

Autor

Comentários

Posts Relacionados

← Post mais recente
[PESQUISA] O que empresas do setor da Saúde consideram na implan...