Cultura organizacional

Sua equipe executa o tanto que deveria?

Imprimir artigo

Há alguns dias atrás, cheguei na empresa mais cedo do que o habitual para uma reunião sobre investimentos. Durante a discussão, meu colega de uma grande empresa de telecomunicações disse: “segundo o Jeison, é preciso fazer uma cagada todo dia. O importante mesmo é fazer alguma coisa.”

Ninguém entendeu nada, mas eu sabia que ele tinha lido o tweet que fiz 05:30h da manhã, onde citei a frase do livro “O melhor ataque é a execução”, de Stephen Bungay:

…uma omissão ou fracasso de agir é acusação mais séria do que um erro na escolha dos meios.

Esse trecho do livro fala sobre a política de Von Moltke, general do exército prussiano do século XVIII, que instituiu uma forma de fazer com que os soldados valorizassem mais a ação ao invés de apenas obedecer ordens, ou seja, agir com autonomia era melhor do que só cumprir regras. É óbvio que toda ação deve ser pensada e estudada, pois queremos que dê certo, mas a frase diz que é melhor fazer alguma coisa e errar do que não fazer nada.

Eu acredito que o hábito de executar, mesmo que errando, pode fazer a diferença. E analisando a minha e outras empresas, posso afirmar que a maioria das coisas que não acontecem como deveriam não é porque aconteceram errado, mas é porque não foram executadas. As coisas simplesmente NÃO ACONTECERAM.

Quer fazer um teste?

Se você é chefe ou líder, pense em algo que sua equipe devia ter entregue semana passada e não entregou, ou em um projeto que já devia estar pronto, mas nem começou. E mesmo que você não seja chefe, pense em algo que você deveria ter feito e ainda não fez, ou nas coisas que você não faz porque está dependendo de que algo aconteça para você começar.

Consegue pensar em algo? Eu consigo pensar em vários casos. Aposto que existem boas justificativas para que as coisas não tenham acontecido, mas você percebe o tamanho da lista? Eu não sei a sua, mas a minha é muito grande.

Agora, vamos fazer o contrário. Pense em coisas que foram feitas de forma errada, que deram errado por algum motivo, que trouxeram resultados ruins e insatisfatórios, e compare: a lista de coisas que foram feitas e deram errado, é maior ou menor do que a lista de coisas não executadas?

Quando você está sempre executando, a tendência é que você erre muito, mas isso não é ruim. Fazer coisas erradas significa que você está realizando coisas novas que possivelmente você ainda não sabe como fazer e isso te leva a buscar mais conhecimento. Por isso, o erro nos desperta a crescer.

Bom, acho que agora você também entende a opinião do general Von Moltke…

Pela minha intuição eu acredito mesmo que a omissão ou fracasso de agir é acusação mais séria do que um erro na escolha dos meios de agir, tanto é que tenho procurado repreender menos as pessoas que erram, mas tenho me incomodado cada vez mais com as pessoas que não agem quando deveriam executar.

É, esses prussianos “manjavam dos paranauês”. 😛

 

Veja outros artigos da Trilha de Artigos sobre “Execução”.

#01: Execução: A importância de executar

#02: Execução: Quem executa NÃO é só o operacional!

#03: Execução: Por que o tático deve ser bilíngue?

#04: Execução: Seja o exemplo de execução!

#05: Execução: Executar é mais que iniciativa, é acabativa!

#06: Sua equipe executa o tanto que deveria?

#07: Execução: Eu não quero ser coiote!

Autor

Comentários

Posts Relacionados

← Post mais recente
O que é Política da Qualidade?