Estratégia empresarial

Análise SWOT: Entendendo as Forças e Fraquezas

Imprimir artigo

A principal função da análise SWOT é organizar as informações coletadas na análise de situação e separá-las em questão internas ou externas, assim será possível ver se as informações indicam algo que vai ajudar a empresa alcançar seus objetivos (forças ou oportunidades) e quais os desafios a serem superados, ou minimizados, para chegar aos resultados desejados (fraqueza ou ameaça). Neste artigo falaremos especificadamente sobre as forças e fraquezas e suas implicações.

Considerando a demanda do mercado e as características dos concorrentes, deve-se pensar no que a empresa pode fazer muito bem e onde está suas limitações. Forças e fraquezas existem pela presença ou falta de recursos ou do relacionamento entre a empresa e seus consumidores, fornecedores, colaboradores, parceiros (organizações exteriores, instituições financiadores, órgãos do governo, empresas de apoio, etc).

A análise SWOT deve ser focada no consumidor para obter o máximo de benefício, assim, uma força só obtém o máximo de relevância quando satisfaz uma necessidade do consumidor, e quando isso acontece, essa força torna-se uma capacidade. Assim, deve-se criar estratégias para alavancar essas capacidades para gerar vantagens competitivas. Da mesma forma, deve-se desenvolver estratégias para superar ou minimizar as fraquezas da empresa para diminuir os impactos negativos no mercado.

Agora veremos exemplos de forças e fraquezas que criam vantagens ou desvantagens para atender as necessidades dos clientes.

Economias de Escala e de Custo

Antes do 11 de setembro, o setor de linhas aéreas do EUA já estava sofrendo dificuldades. Empresas como American, Delta, United e US Airways possuíam forças por serem grandes, terem volumes de passageiros e uma boa articulação de marketing, mas ao mesmo tempo tinham várias fraquezas associadas com eficiência interna, relações de trabalho e modelos de negócio que não conseguiam acompanhar as mudanças de preferência do consumidor. Essas fraquezas se intensificavam se comparadas com empresas aéreas de baixo custo (Southwest, America West e JetBlue), tanto que essas ofereciam serviços em linhas ignoradas pelas grandes companhias. Os equipamentos de baixo custo, eficiência interna, flexibilidade nas operações deram a essas empresas uma vantagem na economia de custo, o que fazia elas trabalharem com mais eficiência e custo reduzidos mudando a maneira dos consumidores de verem as viagens aéreas. Atualmente, a maioria dos consumidores consideram o preço como único fator realmente discriminador entre marcas concorrentes, o que “obriga” as grandes empresas a pensarem formas de operarem com menores custos para garantir sua sobrevivência no mercado.

Recursos Dimensionais e Financeiros

Inquestionavelmente o MacDonald’s é uma rede de fast food consolidada e com grande parte do público infantil fiel a ela, e com mais de 31.000 lanchonetes no mundo que só crescem em termos de faturamento. Mas na década de 90 mostrou sinais de que seu crescimento acelerado virou um obstáculo para manter o serviço eficiente, imediato e cordial. Os consumidores chegaram a avaliar o grau de satisfação do MacDonald’s até mais baixo que com o a Receita Federal.

Apesar da concorrência no setor crescer constantemente, a maior parte dos problemas era interna. A empresa sofria com campanhas de marketing mal elaboradas, pouca inovação de produto e principalmente uma expansão sem precedente, o que potencializou as suas fraquezas resultando numa popularização dos seus concorrentes. A partir de então a MacDonald’s tenta controlar seu crescimento, restabelecer o domínio diminuindo o número de novas lojas e fechando aquelas com desempenho insatisfatório. O objetivo mudou para atrair mais consumidores para as lojas existentes melhorando a qualidade da comida, atendimento e introduzindo novos produtos.

Recursos Intelectuais, Legais e Reputacionais

Quando uma empresa sabe fazer um produto realmente de qualidade e essa qualidade é protegida por patentes e admirada por consumidores em todo mundo, torna-se uma combinação de grande vantagem competitiva. Um exemplo claro desse caso é a Steinway and Sons, fabricante dos melhores pianos do mundo. A fabricação de um piano, em Nova York, leva de nove a 12 meses para ficar pronto, montado manualmente com 12 mil peças, a maior parte feita à mão. A empresa tem 120 patentes técnicas e inovações que as diferenciam totalmente dos concorrentes. O interessante é que não é uma empresa consideravelmente grande, a Steinway detém somente 2% das vendas de pianos nos Estados Unidos, mas obtém 35% do lucro do setor. Nesse caso, vantagens obtidas pela fidelidade de consumidores que apreciam a qualidade, beleza e reputação de ser a preferida em salas de concerto, são difíceis de superar, se tornando uma força inegável da organização.

Semana que vem o assunto será oportunidades e ameaças, não deixe de passar por aqui! 😉

 

Referência:

FERRELL, O. C. Estratégia de Marketing. São Paulo: Thomson Learning, 2006.

 

#01 Análise SWOT: Gerando valor no Planejamento Estratégico

#02 Seis critérios para uma Análise SWOT produtiva

#03 Análise SWOT: Entendendo as Forças e Fraquezas

#04 Análise SWOT: Entendendo as Oportunidades e Ameaças

#05 Gerando ações a partir da Matriz SWOT

Autor

Comentários

Posts Relacionados

← Post mais recente
Você sabe o que é um profissional polivalente?