Gestão de processos

Produtividade Corporativa: como alcançá-la através do uso inteligente da informação?

produtividade
Imprimir artigo

A produtividade sempre foi um assunto muito discutido por gestores dentro das organizações, uma vez que está relacionada diretamente com a quantidade de trabalhadores em função ao seu desempenho e entrega dos seus serviços e produtos, considerando o tempo e qualidade com que são realizados.

Pensando em qualidade, enquanto fator “nobre” da produtividade, nem todas as empresas a incluem nos seus serviços como regra principal.

Algumas empresas, por exemplo, consideram apenas o tempo e a quantidade de produtos entregues e ao ignorar a qualidade da entrega, costumam “andar” em círculo ou criar outra forma de produtividade para corrigir os possíveis “erros” diários. Essa é uma forma muito comum das empresas que optam por sistemas informatizados ou manualizados, daqueles que o funcionário deve marcar quando entra e quando sai do seu posto de trabalho ou simplesmente e talvez a mais antiga das formas, a supervisão direta de uma pessoa, controlando a entrada e saída do seu colaborador, quanto tempo usa para ir ao banheiro ou tomar um café; quantidade de entrega por dia; quantas vezes fez a mesma pergunta ao colega ao lado – modelo esse muito utilizado na revolução industrial, ainda no ano de 1970.

Um relatório recente do McKinsey Global Institute (MGI) revelou que a jornada de trabalho do empregado média fica assim:

  • 28% lendo e respondendo e-mails;
  • 19% de pesquisa e coleta de informação interna;
  • 14% de comunicação e colaboração intraorganizacional;
  • 39% para a realização de tarefas específicas às funções.

Mas como aumentar a produtividade dentro das organizações no século XXI, Era da Informação e Conexões?

Ainda segundo a descoberta da MGI, “o uso de tecnologias sociais, como ferramentas de gestão do conhecimento, pode elevar os níveis de produtividade de 20 a 25 por cento”, tendo como principais maneiras:

  • Transformação de mensagens em conteúdo;
  • Produção de registros pesquisáveis de conhecimento;
  • Facilidade da colaboração de forma mais rápida e mais efetiva.

No entanto para alcança-las é necessário criar uma cultura organizacional voltada para a Gestão do Conhecimento (GC), afinal, nenhuma ferramenta por si só é capaz de trabalhar e apresentar resultados sem processos, pessoas, colaboração, educação e aprendizagem corporativa, elementos tão indispensáveis para que a GC funcione de forma adequada. Esse é um investimento que poupa tempo, dinheiro, desgastes físicos e conflitos, além de aumentar a satisfação de colaboradores e clientes.

Autor

Comentários

Posts Relacionados

auditorias internas
← Post mais recente
Entendendo as Auditorias Internas