,

Blog da Qualidade

Porque eliminar slogans, exortações e metas?

Receba Nossa News

Os conteúdos mais legais sobre qualidade, semanalmente em seu e-mail

Todos os dados inseridos aqui, estão resguardados pela Política de Privacidade da ForLogic, totalmente adequada a LGPD e ISO 27001 (Segurança da Informação).

Monise Carla

Monise Carla

Website | + posts

Auditora Líder ISO 9001:2015, ISO 22000:2018 e ISO 31000:2016. Redatora do Blog da Qualidade e Especialista de Comunicação no Qualiex! Eu ajudo profissionais a resolverem problemas de qualidade por meio de tecnologia e acredito que esse é o primeiro passo para uma vida de Excelência. Gosto de rock, desenho animado e vejo qualidade e excelência em tudo isso. Não me leve tão a sério no Twitter, mas se preferir, você também pode me encontrar no Facebook e Linkedin.

No artigo passado falamos sobre o 11° Princípio de Deming, mas antes disso vamos dar um passo para trás. O 10° Princípio é um dos princípios polêmicos do Deming! Consigo entender até um termômetro de indignação. Começa assim:

  • Elimine slogans: aah, ok, slogans são chatos mesmo.
  • Elimine exortações: oshi, que estranho…
  • Elimine metas: O QUE? DEMING ESTÁ LOUCO?

Brincadeiras à parte, Deming sempre incentivou uma cultura consistente de qualidade, que aponta a empresa para nova economia. Vamos entender o que Deming realmente fala dessas coisas…

anuncio-qualiex-documentos-1200x300-2-0

Mas por quê?

Slogans são frases de efeito, de fácil memorização, que resume uma ideia, um propósito ou um valor agregado. Um exemplo, é o slogan do remédio Doril “tomou doril a dor sumiu”. Uma exortação pode ser entendida como um estímulo, conselho, ou até advertência.

Nas empresas é muito comum o uso desse tipo de frases de efeito para reforçar uma cultura que se busca, como por exemplo: “faça certo da primeira vez”, ou “melhorando juntos”. Essas frases são espalhadas pela empresa, em cartazes, wallpapers, adesivos, e-mails, enfim.

O que há de errado com os slogans e exortações? Muitas vezes são apenas divulgados, mas não são debatidos nem vividos, e assim, acabam tendo o efeito contrário do que deveriam. 

No primeiro exemplo de slogan “faça certo da primeira vez”. Como é possível fazer certo da primeira vez se a máquina não funciona como deveria? Ou os instrumentos de calibração não estão aptos para uso?

No segundo exemplo, “melhorando juntos”. Se a cultura de ouvir todos os colaboradores e responder às reivindicações não está sendo vivida, essa frase de efeito só vai disseminar mais revolta.

Na maior parte das vezes, esses cartazes e exortações são direcionados para as pessoas erradas. A mudança deve ocorrer a partir de quem decide, desdobra o trabalho, para então ser refletida na operação.

Se você não trabalha para que essas frases sejam ações vividas na rotina, provavelmente elas estão causando insatisfação e indignação das pessoas. Além disso, evidenciando incoerências entre discurso e atitudes.

Para estabelecer cultura, é necessário LIDERANÇA

Liderança tem a ver com coerência. A responsabilidade pela melhoria do sistema de gestão, assim como assegurar e garantir o aumento da satisfação do cliente e qualidade do produto, é da Alta Direção.

Você pode usar frases para melhorar a comunicação da direção que a empresa vai seguir, mas não é a comunicação que vai resolver. A gestão, ações e atitudes da LIDERANÇA que serão refletidas nas outras pessoas. Portanto, não faz sentido cobrar das pessoas de um trabalho que é da liderança.

Se todos abraçarem o trabalho devidamente, as frases de efeito serão apenas um reflexo do que está sendo vivido.

Mas e as metas? Qual o problema delas?

A primeira questão é se as metas estabelecidas são metas, de verdade, ou apenas intenções. Por definição, Deming diz assim: “Metas são naturalmente necessárias, mas metas numéricas estabelecidas por outras pessoas, e desacompanhadas de orientação para como alcançá-las, costumam ter o efeito contrário” (W. E. Deming)

Isso não é uma questão só do Deming, o próprio Falconi sempre defendeu que metas devem ser estabelecidas de maneira matemática e embasadas. Desta forma, tornamos possível um trabalho inteligente e consistente.

Outro ponto que Deming traz é que “… metas estabelecidas por outras pessoas…”. É importante envolver as pessoas que vão realizar a meta na definição de metas. Assim, elas compreendem como foi chegado naquele valor e podem contribuir ainda mais para o trabalho.

Liderança ativa na cultura da organização

Exortações, slogans e metas estabelecidas por feeling. São todos sintomas de uma cultura que não tem liderança. A alta direção precisa estar agindo ativamente para incentivar e promover uma cultura efetiva na organização!

Se quiser entender um pouco mais sobre esse princípio de Deming, veja o vídeo que o Jeison gravou no Youtube do Qualiex sobre o 10º princípio de Deming.

 

Idealizado por Forlogic | www.forlogic.net
Saiba mais sobre qualidade em http://ferramentasdaqualidade.org/
Conheça nossos softwares:
Gestão da Qualidade https://qualiex.com/ | Gestão da Metrologia https://metroex.com.br/

Sobre o autor (a)

Blog da Qualidade

Artigos relacionados

Software para gestão da qualidade

Próximo evento Forlogic!

Conheça nossos canais

Conheça o que CEOs e especialista nos assunto estão fazendo para desenvolver as estratégias de suas empresas

Planejamento Estratégico | Transmitido ao vivo em 21 de jan. de 2021

Qualicast - O Podcast da QUALIDADE

21 de Setembro de 2021
Gestão de Documentos para Sua Empresa